Atravessar a rua durante uma prova é uma grande dor-de-cabeça para os transeuntes, organizadores e apoiantes, mas principalmente para o corredor, que, por diversas vezes, são obrigados a abrandar o ritmo por uma má decisão das pessoas. No entanto, em algumas provas, há um método que resolve a questão.

Todo o corredor sabe o suplício que é ver um peão em dúvida se atravessa ou não a rua. É quase impossível o corredor não se afligir com a indecisão.

Por isso, é normal o atleta acelerar ou abrandar tendo em vista não chocar com o peão, o que, muito provavelmente, significaria o fim da corrida ou pelo menos adiar os objetivos para a próxima prova, já que é muito complicado retomar o ritmo que estamos se pararmos por completo (ainda mais depois de uma encontrão ou queda).

LEIA TAMBÉM
Chinês já correu mais de 510 km no seu apartamento na quarentena

A verdade é que o peão não faz de propósito, mas, ou por um mal controlo da distância para com o corredor ou por simples distração, muitas vezes acontece o pior, algo que, para o peão pode ser um choque insignificante, mas, para o corredor, pode significar meses e meses de treinos jogados para o lixo.

Deste modo, há já algumas provas que adotaram um sistema bastante interessante par a que os trausentes consigam atravessar a rua sem atrapalhar a rua, inclusive a Maratona de Boston, uma das seis principais provas do mundo, integrante das Six Majors, juntamente com Tóquio, Londres, Chicago, Nova Iorque e Berlim.

Veja abaixo: