Com a pandemia de Covid-19 a não dar tréguas no combate contra a grande maioria dos países do mundo, o presidente do organização japonesa dos Jogos Olímpicos de 2020, que terão lugar em Tóquio, veio reafirmar a garantia de que, depois de um primeiro adiamento, o evento terá mesmo lugar de 23 de julho a 8 de agosto de 2021.

«Que não haja dúvidas de que os Jogos terão mesmo lugar, independentemente da fase em que se encontrar, na altura, a pandemia», sentenciou Yoshiro Mori, presidente da comissão organizadora dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

No entanto, e apesar da certeza manifestada por Mori, a verdade é que até mesmo a população de Tóquio mostra-se pouco convencida com a possível realização dos jogos, facto demonstrado por uma recente sondagem levada a cabo pela agência noticiosa japonesa Kyodo News, em que 80% dos japoneses afirmaram preferir que os Jogos fossem cancelados ou adiados.

LEIA TAMBÉM
Adiar os Jogos Olímpicos de Tóquio outra vez «é absolutamente impossível»

Numa altura em que grandes partes do Japão vivem num estado de emergência, precisamente devido à Covid-19, os japoneses mostram-se assim pouco confiantes com a realização do evento, receosos de uma pandemia que continua a afligir a maioria dos países no mundo.

Flórida disponível para receber Olimpíada

Entretanto, e numa decisão deveras surpreendente, o estado norte-americano da Flórida decidiu anunciar a sua disponibilidade para receber a organização dos Jogos Olímpicos no caso do Japão desistir do evento. Enviando mesmo uma carta ao presidente do Comité Olímpico Internacional, Thomas Bach, na qual «encoraja» este responsável a «reconsiderar a localização dos Jogos Olímpicos de 2021, transferindo-a de Tóquio, no Japão, para os EUA, mais especificamente para a Flórida».

Tóquio 2020

De resto, e a justificar alguns receios da parte dos responsáveis das comitivas nacionais que se deslocarão ao Japão, surgem posições públicas como as do Comité Olímpico da Austrália, cujo diretor executivo veio já garantir que os atletas australianos desembarcarão em Tóquio apenas cinco dias antes do início dos Jogos, deixando o país nas 48 horas após o fim do evento.

Basicamente, tal significa que a comitiva australiana não se manterá em território nipónico mais do que o estritamente necessário para treinar e competir. E sempre na Aldeia Olímpica.

Aliás, até mesmo no que diz respeito à presença de espectadores nos locais das provas, trata-se de algo que está ainda por decidir.