Os atletas paralímpicos australianos Jaryd Clifford e Michael Roeger fixaram, ambos, recordes mundiais da Maratona nas respetivas categorias durante a participação na Athletics Australia Tokyo Qualifying Marathon, que decorreu em Sydney, Austrália.

Jaryd Clifford, um atleta com deficiência visual que compete na categoria T12, iniciou a corrida com o propósito declarado e assumido de acompanhar Michael Roeger, corredor que compete como atleta T46, já que tem uma deficiência que lhe afecta o braço direito.

A missão de Clifford não poderia ter corrido melhor, já que contribuiu para que Roeger conseguisse fixar um novo recorde mundial T46 com o tempo de 2h18m53. Ao mesmo tempo, bateu ele próprio e de forma quase acidental o recorde do mundo da Maratona na categoria T12 ao cruzar a linha de meta em 2h19m08.

LEIA TAMBÉM
Jaryd Clifford, campeão mundial paralímpico dos 1.500 e 5.000 m: «O medo também nos torna mais fortes»

Na rede social Instagram, Clifford, que chegou a correr pela Austrália nos Jogos Paralímpicos de 2016, assumiu que o seu recorde do mundo foi, para si próprio, um autêntico choque. E por várias razões…

Entre estas, o facto de nunca ter corrido de forma assumida a Maratona, sendo que, mesmo nesta última prova, nunca ter sido sua intenção completar a corrida. Pelo contrário, o objetivo era apenas servir de apoio a Roeger durante o tempo que conseguisse. No entanto, por volta do km 36, apercebeu-se que iria até ao final, revelou Clifford.

«Estou todo o dorido, mas também será um dia que nunca esquecerei», escreveu o atleta, que passou a linha de meta apenas 15 segundos após Roeger, o qual tem bastante mais experiência em Maratona, batendo assim o recorde do mundo com o tempo de 2h21m33, ou seja, uma melhoria de mais de dois minutos face à anterior marca.

«Acho que [Roeger] perguntou-me, aos 15 km, quantas voltas eu ainda tinha e eu acho que lhe disse que tinha duas», continuou Clifford. «A verdade é que consegui fazer mais uma e depois mais outra. Agora, depois de pensar, acho que fui um pouco parvo. Contudo, ao longo de toda a corrida, tudo o que fiz foi concentrar-me em Roegs.»

Apesar de ser uma espécie de maratonista acidental, caso opte por se concentrar na Maratona, colocando um pouco de lado as provas de 1.500m e 5.000m, em que conquistou o Ouro no Campeonato Mundial de Para-atletismo de 2019, não se sabe o que poderá acontecer.

Foto: Instagram Jardy Clifford

Contudo, e antes dessa hipótese se tornar uma realidade, Clifford assumiu, em declarações à Athletics Australia, que ainda tem planos para este ano na pista, até porque já bateu por diversas vezes o recorde do mundo dos 1.500 metros em T12, sendo que o mais recente foi em março último, quando correu a distância em 3m41s34, em Camberra.

De resto, e com estas marcas, o australiano espera conseguir a medalha de ouro nos 1.500m e nos 5.000m nos Jogos Olímpicos de Tóquio.

Quanto a Roeger, promete continuar a apostar na Maratona, com a ambição de chegar aos Jogos Paralímpicos de Tóquio e acrescentar aos recordes a medalha de ouro na categoria T46, dando assim continuidade a um domínio que já vem de atrás, conforme demonstra o facto do recorde do mundo que bateu agora, com o tempo de 2h19m13, já ser seu.