Um dos grandes nomes do Atletismo mundial, um poço sem fundo de conhecimento, Carlos Lopes acredita que as centenas de provas que acontecem no país ao longo do ano pode não ser benéfica para o Atletismo em si.

Sobre o “boom” do “running”, Carlos Lopes deixou claro a sua opinião, defendendo ironicamente que tal acontecimento é «bonito (….), principalmente para quem organiza, com as pessoas a pagarem para correr… É bonito!».

LEIA TAMBÉM
Carlos Lopes tinha três passadas para cada corrida
Carlos Lopes: «Segredo para o ouro olímpico foi o conhecimento»
Carlos Lopes: «Não foi o dinheiro que me levou a correr»

O campeão olímpico recorda também que essa explosão da corrida também é positiva para os médicos e fisioterapeutas, já que esses milhares de corredores que fazem a alegria dos organizadores terão uma lesão, «mais cedo ou mais tarde».

Deste modo, Carlos Lopes criou a sua escola de Atletismo, a Carlos Lopes/Lusitano, na região de Viseu, um projeto que poderá ganhar novos voos, concretamente em Lisboa, um projeto que, no entanto, demora a decolar devido a falta de apoios.

O sonho de Carlos Lopes é montar uma verdadeira escola de meio-fundo/fundo no Atletismo do nosso país. «Algum dia há de acontecer», acredita. «E, se conseguir montar esta escola, tenho a certeza de que vão aparecer campeões.»

O campeão olímpico faz questão de salientar que a sua escola é aberta a todos e que é gratuita.

«O Atletismo para os jovens não tem de ser pago…»

VEJA TAMBÉM