Campeão da Europa por duas vezes em uma semana, João Pereira admite que trabalhou em equipa com João Silva para ambos terminarem no pódio. Apesar de satisfeito com o título europeu, o português já tem os olhos para 2020, ano dos Jogos Olímpicos de Tóquio.

 

 

Como foi o confronto com o francês Raphael Montoya no Europeu de Triatlo na distância olímpica?
Foi muito duro. O Montoya é um atleta jovem mas com um enorme talento.

E a relação com o João Silva, que terminou em terceiro? Vocês combinaram uma estratégia contra o gaulês, por exemplo?
Nós procuramos trabalhar em equipa de modo a conseguirmos estar os dois no pódio. Conseguimos!

Poderia descrever como decorreu cada segmento?
O segmento de natação foi muito rápido, mas senti-me muito bem dentro de água. Durante o segmento de ciclismo, o grupo líder, onde cedo me integrei, conseguiu trabalhar muito bem, o que permitiu realizar um ciclismo sem grande desgaste. No último segmento fizemos uma corrida bastante contida de início, embora tenham existido muitos ataques, o que fez com que alguns atletas fossem descolando da frente da corrida. A poucos metros da meta só restavam quatro atletas para três medalhas e eu e o Silva aumentámos o ritmo para ver se o espanhol ou o francês descolavam. O espanhol não aguentou o ritmo e partimos para o sprint final… Apenas três a disputar os lugares de pódio.

E qual a estratégia que seguiu? A ideia foi seguir sempre o pelotão da frente?
Sim, a ideia era chegar ao grupo da frente no ciclismo e andar sempre com eles na frente, tentando fugir na corrida.

A festa foi grande no desembarque da seleção nacional após o bicampeonato europeu de João Pereira

Se tivesse que escolher apenas um resultado, qual escolheria: o quinto lugar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro ou o título europeu?
Ambos foram resultados de relevo e que vou recordar para sempre, por isso é muito difícil de escolher. Mas talvez escolhesse o quinto lugar nos Jogos Olímpicos, pois só vou conseguir melhorar daqui a quatro anos e é para esse grande objetivo que vou trabalhar estes próximos quatro anos.

Após um período menos positivo, o triatlo nacional parece finalmente ressurgir, principalmente no masculino. O que mudou nos últimos anos?
O triatlo é um desporto de endurance e requer muito trabalho e maturidade física para se conseguir bons resultados. Graças ao trabalho e empenho que todos temos feito ao longos dos anos temos vindo a conseguir fazer crescer o triatlo nacional a nível mundial.

Evidentemente, Tóquio2020 é o seu objetivo. Até onde isso é possível?
Sim, Tóquio é o meu grande objetivo deste ciclo olímpico. É com o objetivo de melhorar o meu 5.º lugar nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro que estou a trabalhar.

Uma semana depois ganhou o Europeu de Triatlo sprint? Como foi a prova?
Foi muito rápida. Saí no grupo da frente da água mas, durante a última volta do segmento de ciclismo, fomos alcançados pelo grupo perseguidor. A corrida foi sempre muito forte, com o grupo da frente sempre a puxar. A prova acabou ao sprint na linha da meta!…

João Pereira e João Silva mostram as duas medalhas conquistadas por cada um