Yiannis Kouros Trail

Nascido no seio de uma família pobre, nem mesmo a necessidade de ter de começar a trabalhar muito cedo impediu o grego Yiannis Kouros de sentir o chamamento das Ultra-distâncias. Sendo que, hoje em dia com 61 anos, é já o Ultra-maratonista com mais quilómetros percorridos no mundo.

Na verdade, e embora tendo corrido a sua primeira maratona aos 21 anos, foi com a participação no primeiro Spartathlon, em 1983, que Yiannis Kouros deu início a uma caminhada repleta não só de quilómetros, como também de muitos prémios e recordes.

Ao todo, o Ultra-maratonista conta já com um total 160 recordes. Sendo que, apesar dos anos que alguns já levam, nenhum deles voltou a ser batido!

LEIA TAMBÉM
Há um atleta que já correu da Terra à Lua – Sabe quem é? (Parte 2)

Seis dias a correr

Afastadas todas as dúvidas sobre a sua supremacia no Spartathlon, foi ainda em 1983 que Yiannis Kouros correu a sua primeira Ultra-Maratona de três dias. Mais precisamente, na Áustria.

Também conhecido, entre outros cognomes, por "O Deus da Corrida" ou "O Fidípedes Moderno", Yiannis Kouros já fez várias capas em muitos países do mundo
Também conhecido, entre outros cognomes, por “O Deus da Corrida” ou “O Fidípedes Moderno”, Yiannis Kouros já fez várias capas em muitos países do mundo

Apenas um ano depois, em 1984, o Ultra-maratonista duplicava o desafio e participava numa prova de seis dias a correr, na região de Nova Iorque. Ao todo, foram 1.030 km que Yiannis conseguiu concluir.

De resto, no seu livro The Six-Day Run of the Century, o grego recorda a experiência, comentando que, «ao fim de 24 horas a correr, cheguei a recear que pudesse acabar num estado vegetativo para o resto dos meus dias, pois o meu corpo parecia já não responder, mas continuava a correr sem que eu pudesse fazer fosse o que fosse».

«Na altura comecei a recear que, uma vez caído, não voltasse sequer a andar, ainda que tivesse tomado conscientemente a decisão de fazer história. Assim, e até para me convencer a mim próprio, comecei a olhar para o desafio como se fosse um sacrifício, parte de um qualquer drama da Antiguidade. Eu sabia que estava a deixar História escrita à medida que seguia correndo», escreveu Yiannis Kouros.

A importância da mente

Apesar de todo este esforço, Yiannis conseguiu terminar a prova, conforme o próprio relata no seu livro: «Recordo-me que eu corria muito rápido, mas porque flectia muito os dedos dos pés. A sensação que dava era a de que eu estava prestes a desistir. Foi aí que eu tive percepção do quão importante é a atitude mental

«Recordo-me que cheguei a um ponto em que o meu corpo parecia praticamente inanimado. Era a minha mente que comandava todas as ações… Atingi um estado tal que parecia que estava fora do meu próprio corpo, que o observava de cima, do exterior, quase como se tratasse de uma experiência mística, quase como se o meu corpo se tivesse rendido e fosse comandado e guiado de fora. Foram, sem dúvida, momentos incríveis», escreveu Kouros

O período australiano

Em Novembro de 1984, Yiannis Kouros voltou a correr uma nova prova de seis dias, desta feita disputada em redor da cidade australiana de Colac. Competição que, diga-se, o grego venceu.

Tal como, de resto, haveria de vencer em 1987, 1989 e 1990 a Ultra-Maratona que liga Sidney a Melbourne, também no continente australiano, fixando inclusivamente um novo recorde da prova: cinco dias, cinco horas, sete minutos e seis segundos.

Chegado ao ano de 1990, o grego já havia participado em praticamente todas as Ultra-Maratonas disputadas no mundo. Sendo que, face ao ignorar por parte do Estado grego de todos feitos alcançados até aí, Yiannis Kouros decidiu deixar a Grécia e emigrar, precisamente, para a Austrália, onde haveria de permanecer durante 10 anos.

Com uma carreira já longa, Yiannis Kouros já disputou praticamente todas as Ultra-Maratonas que se realizam no Mundo. Tenho não somente ganho muitas delas, como também fixado recordes que permanecem até hoje.
Com uma carreira já longa, Yiannis Kouros já disputou praticamente todas as Ultra-Maratonas que se realizam no Mundo. Tenho não somente ganho muitas delas, como também fixado recordes que permanecem até hoje.

O regresso a Atenas… e aos recordes

O regresso à Grécia, e a Atenas, para aí fixar novamente residência só aconteceu em 2000. Isto com Yiannis ainda a correr não apenas em solo grego, mas também no estrangeiro.

Aliás, surpreendente é o facto de, em 2005, então já com 49 anos, o grego ter participado e vencido a prova australiana de seis dias Cliff Young, superando mesmo um recorde do mundo que o próprio havia fixado 21 anos antes, ao fazê-la em cinco dias, duas horas e 27 minutos!

LEIA TAMBÉM
Corredores japoneses surpreendem o Mundo da Corrida

«Nas Ultra-distâncias não há, efetivamente, limites. Simplesmente podemos continuar e continuar…», afirmou o grego em entrevistas. «O meu objetivo, em qualquer corrida, é sempre conseguir algo de especial… De certa forma, um pouco como Fidípedes, que correu até Esparta para entregar uma mensagem e regressou em seguida a Atenas, com a resposta dos espartanos. Também eu gosto de me ver como um mensageiro“.

Yiannis Kouros acrescenta, de resto, que «quero servir de inspiração, fazer passar a mensagem de que tudo é possível. Tudo é possível, desde que esteja nas nossas mãos e estejamos dispostos a lutar por isso».