Com alguma surpresa para muitos e não para alguns, inclusive para o próprio, Tiago Cantante Romão foi o vencedor do recente Trail Vila de Rei (50 km; 2080 D+; 4h15m30). Depois da Orientação, o atleta do Comércio e Indústria vai representar novamente às cores de Portugal, agora no Mundial de Trail, agendado para o dia 10 de junho na região da Toscana, em Itália. Tudo após uma intensa luta com David Quelhas (4h17m45). Ou talvez não…

 

Ficou surpreso com o triunfo no Trail Vila de Rei?
Não posso dizer que foi uma surpresa. Apesar de estar no Trail há cerca de um ano e de ter sido apenas a minha segunda Ultra, pratico desporto há cerca de 14 anos e trabalhei bastante nos últimos dois meses com vista a lutar pelo apuramento. Sabia de antemão que a competitividade seria muito alta, com bastante gente a trabalhar especificamente para esta prova, e que seria bastante difícil, até pela falta de experiência, mas também tinha a certeza que seria possível.

LEIA TAMBÉM
Post no Facebook sobre o lixo no Trail relança a polémica nas redes sociais

Durante o Trail Vila de Rei, quando teve a consciência de que a vitória não escaparia?
Apenas depois de cruzar a linha de meta. Independentemente de ir em primeiro nos últimos metros, bastava uma quebra física, um músculo que cedesse, um pé que torcesse ou mesmo um engano no percurso para o que algo que parecia certo terminasse no mesmo local. Esta é a minha forma de pensar: a prova só acaba na meta.

Qual foi a sua principal dificuldade ao longo do percurso?
A dificuldade em saber a que ritmo seguir. Ainda me falta muita experiência nestas distâncias…

Teve uma acesa luta com o David Quelhas no Trail Vila de Rei. Poderia falar sobre o “duelo” entre os dois?
Não considero de forma alguma que existiu entre mim e o Quelhas uma “luta” ou um “duelo”. O que existiu foi duas pessoas que se respeitaram e que, pelas circunstâncias da corrida, acabaram por seguir à frente na parte final da prova. Além disso, nunca considerei, nem mesmo agora considero, que a prova se tenha resumido a nós os dois. Não conhecia o David Quelhas antes desta prova, mas desde o primeiro momento considerei-o um amigo e penso que isso demonstra bem o espírito que vivemos durante a corrida.