Medalha de prata nos Campeonatos do Mundo de Trail Running de 2019, a neo-zelandesa Ruth Croft é também uma das melhores do mundo na modalidade, algo que torna particularmente importantes as dicas  que a atleta de 32 anos aceitou transmitir a todos os que estão a iniciar-se no Trail através da página oficial da World Athletics.

Distribuídas por apenas cinco pontos, as dicas de Ruth Crofth, num artigo assinado por Steve Landells especificamente para a World Athletics, destacam alguns dos mais importantes aspetos aos quais qualquer iniciado no trail running deve ter atenção.

Conheça-os, para que possa evoluir!

  • Escolha corretamente o calçado
    Recordando que o Trail coloca-nos perante uma variedade enorme de pisos e trilhas, Ruth Croft defende a importância de «escolher um calçado com a tração certa e, para as corridas mais longas, que tenha também o suporte certo (…) pois há uma possibilidade maior de fazer bolhas»
    «Se a corrida incluir pisos de rocha escorregadia, certifique-se de usar calçados com boa aderência», acrescenta. «Em terrenos mais técnicos, é importante selecionar calçado com saliências maiores, tal como em trilhos mais suaves é importante escolher sapatos com saliências menores. De resto, e dependendo do terreno e da duração da corrida, também pode optar por sapatilhas de corrida»

LEIA TAMBÉM
One Hundred lança Campeonato Mundial Artificial Mountain Trail

  • Atenção ao trabalho de preparação
    Uma vez que as corrida de Trail podem apresentar desafios vários, com as condições e o terreno a mudarem fortemente, é importante desde logo dar atenção ao equipamento certo. Nomeadamente, investindo «num bom equipamento de hidratação, que não salte», assim como «num casaco impermeável com costuras, calças impermeáveis, manta de sobrevivência, chapéu e luvas».
    De resto, e porque existem várias corridas que se disputam sobre condições extremas, «certifique-se de que está aclimatado às condições que vai encontrar»
  • Não queira somar quilómetros demasiado rápido
    Especialmente no início da sua carreira como trail runners, o mais normal é encontrar atletas que atacam demasiado rápido as distâncias que têm de cumprir, esquecendo-se, segundo Croft, de que, «no Trail, 20 km não é o mesmo que 20 km em estrada».
    «Uma abordagem gradual é sempre melhor», defende a neo-zelandesa, recordando que «existem muitos outros fatores que entram em jogo ao corrermos distâncias mais longas, como é o caso das condições climáticas, do terreno, dos equipamentos e da nutrição. Assim, depois de já estar habituado a correr 20 km, acostume-se a correr 50 km e só então passe para os 75 km ou para os 80 km. Não morda mais do que pode mastigar»
    «Além disso, no mundo do Trail, há um grande entusiasmo à volta dos 160 quilómetros. Eu própria deixei-me levar por todo esse hype, mas depois, quando cheguei a essa distância, descobri que não gostava. Foi então que voltei para as corridas na faixa de 50 km»
  • Familiarize-se com o terreno onde correrá
    Um aspeto importante para qualquer aspirante a trail runner é, na opinião de Ruth Croft, conhecer o tipo de terreno em que vai correr, como é o caso dos declives.
    «Esta é uma prática que deve ser treinada», defende a neo-zelandesa, afirmando que «eu percebo que correr em declives pode ser complicado, já que há um risco de lesões. No entanto, aprender, treinando, pode ajudar a evitar acidentes. Também existem muitos vídeos no YouTube que nos ensinam a correr um declive abaixo, com eficiência»
  • Tenha atenção à nutrição
    Principalmente para aqueles atletas que pretendem iniciar-se no Trail running de grandes distâncias, a nutrição é um dos fatores a que é preciso ter atenção e que exige uma abordagem cuidadosa.
    «Adotando uma abordagem muito generalista, sugiro, desde logo, que comam e bebem alguma coisa a cada hora. Sendo que a quantidade dependerá do tipo e duração do evento em causa».
    Ao mesmo tempo, «lembre-se de experimentar vários tipos de nutrição. Experimente diferentes abordagens, usando géis e alimentos sólidos para descobrir o que melhor funciona consigo, já que não existe um tamanho que sirva para todos.»