A Portugal 1001 – Real Lendário, que começa no próximo dia 26 de setembro, não é uma corrida com 14 etapas, mas uma experiência única para os seus participantes, uma “Maraturismo”, defende Paulo Garcia, da organização. 

O que é a Portugal 1001 – Rota dos Lendários? Temos aqui uma corrida ou uma experiência? O que pretende a organização?
Temos uma experiência de corrida em espaço e tempo de elevado valor histórico, cultural e natural. São 8 comunidades intermunicipais, 34 municípios e 5 parques naturais. É a história de um país, com quase 1000 anos, numa corrida com 1001 km.
O nosso propósito, como organização, é exatamente o acima descrito. Desenvolver eventos desportivos em locais com características ímpares. Sejam elas de elevado interesse natural, humano, cultural ou histórico. É um conceito e um produto turístico que designámos de “Maraturismo”.

LEIA TAMBÉM
Paulo Garcia: «A Portugal 1001 será mais um marco na corrida de longa distância em Portugal e no mundo»

Evidentemente que o seu preço, 2.500 euros, não é para todos e, aqui e ali, nas redes sociais, tivemos comentários menos positivos. Não discuto o valor em sim, cada um pede o que quer, mas como justificaria este valor para os detratores da prova?
Esse é um assunto recorrente e uma discussão estéril. Os únicos a quem devemos justificação é ao participante. É ele que vive a experiência e pode responder se o valor pago e entendido está dentro das expectativas que criámos.
O nosso foco é lançar experiências fortes e transformadoras para toda uma comunidade mundial que conquistamos ao longo de 22 anos de trabalho. Temos tido sucesso. Acreditamos no que fazemos, queremos viver exclusivamente do que fazemos e por isso em 2022 teremos no Brasil a Descaminhos, em Minas Gerais, e o Jalapão Ultramarathon. Mais duas experiências diferentes, mas por etapas, mas tudo dentro do conceito do “Maraturismo”.

Sobre o percurso em si, o que poderia falar destas 14 etapas? O que tiveram em mente?
É difícil não me repetir porque o propósito é único: a experiência vivida.  Mas se me cingir à construção do traçado sempre estivemos conscientes, e cientes, de que mais de 15 dias de prova seria muito complicado captar participantes. Uma prova com 17/20 etapas, viagens de ida e volta. A maioria dos participantes teria de disponibilizar um mês para isso…
Avançamos para a travessia de Portugal em 14 dias e dava uma distância de pouco mais de 850 km. Em conversas com amigos levantou-se a ideia de quem faz 850 faz 1000 e 1000 km é aquela meta! 
– “Mil não, mil e um” fica uma capicua.
Pronto, ficou decidida a distância. A partir daí foi um longo e exaustivo procurar de caminhos, estradas e estradinhas, monumentos e outras coisas de relevo para se construir algo que permita que todos, cada um à sua maneira, tenha o seu sucesso. 

O percurso da Portugal 1001 – Real Lendário

Mas o percurso idealizado há ano e meio foi muito alterado para esta edição?
Sim, foi! Neste atravessamos a Serra da Estrela e temos uma aproximação ao mar muito mais cedo do que na primeira proposta. A primeira proposta chegávamos ao mar apenas na última etapa. Neste novo traçado, já na etapa 11, terminaremos junto ao Atlântico. 

E como definiria o percurso? Muito técnico, bastante diversificado, mais Trail, etc.?
Um traçado adaptado à realidade existente, ao tipo de esforço exigido e aos nossos objetivos.
Objetivos que já referi várias vezes nas respostas anteriores, mas que agora acrescento outro: que todos sejam finalistas. Não vão ser todos, sabemos disso, mas que sejam o maior número possível. E não digo isto porque é bonito. Não! É porque queremos exatamente isso. Esse também é o nosso sucesso e a nossa glória. Ver gente satisfeita, muitas vezes sob grandes sofrimentos, porque cumpriu ao que se propôs é uma enorme alegria para nós.

No Tour, no ciclismo, temos por exemplo edições propícias para os montanhistas, outros anos para os velocistas. Qual seria o perfil da Portugal 1001?
Aqui temos de tudo e sempre muito bem ponderado. Vamos ter etapas longas e com desnível elevado. Outras mais rápidas, algumas com areia. Umas com mais estrada, outras mais estradão. Mas é bom que todos percebam que a PT1001 – Real Lendário é algo mais que uma competição onde chegar primeiro é o que importa. Por isso questões como essas nem nos passaram pela cabeça.
Num balanço final, diríamos que temos uma experiência única e transformadora para os participantes e um enorme canal de promoção das regiões e do país.

FOTO: Facebook