Segunda etapa do Spartan Trail World Champioship, a Patagonia Run 2021, prova de Ultratrail que se realiza em San Martin de Los Andes, na Argentina, acaba de sofrer um duro revés: a oito dias do seu início, o governo argentino decidiu fechar as fronteiras do país, deixando de fora os atletas internacionais.

A decisão do Executivo da Argentina ocorre na sequência do avanço da pandemia de COVID-19 naquele país da América do Sul, onde são já contabilizados mais de 11.500 casos de contágio e 130 mortos, números que levaram a proibir a entrada dos atletas internacionais que contribuem para a afirmação e notoriedade da Patagonia Run.

Numa altura em que o vírus soma casos também nos países vizinhos, como o Chile, o Brasil ou o Uruguai, impulsionado igualmente pela chegada do Outono/Inverno austral, a corrida argentina, que tanto na modalidade de 100 milhas como nos 42 km conta com o emblema Crown Label, apresenta-se especialmente atrativa para os corredores de elite, os quais têm à disposição não apenas o maior número de pontos (1.000), como prémios monetários num total de 25.000 dólares.

LEIA TAMBÉM
Portugal sem provas na nova Spartan Trail World Championship 2021-22

Com a decisão governamental agora anunciada, são estes atletas que acabam caindo numa maior incerteza, já que continuam sem saber se poderão viajar para o país a tempo de marcar presença na partida para a prova agendada para o período entre 9 e 10 de abril.

De resto, e a tornar ainda maior a incerteza por que passam os atletas internacionais, surge o caso do lituano Gediminas Grinius, o qual, após aterrar na terça-feira em solo argentino, acabou repatriado para o seu país de origem.

Foto: Patagonia Run

«Viajei para a Patagónia, sendo que, nos tempos que correm, viajar é algo muito mais exigente em termos mentais do que uma corrida de 100 milhas», escreveu nas suas redes sociais o lituano, recordando que, ainda antes de saber que ia ser mandado para casa. «Depois de muitos procedimentos e negociações realizados em cada aeroporto, agora preciso de um pouco de sorte e dedos cruzados. Entrei na Argentina, sendo que a decisão provavelmente será tomada pelo primeiro interlocutor que encontrar na fronteira.»

Efetivamente, e apesar das muitas horas de viagem já somadas, a resposta em solo argentino seria mesmo o repatriamento de volta a casa.

Recorde-se que, embora tratando-se de um dos principais eventos de Trail Running na América Latina, a Patagonia Run já teve a sua edição de 2020 cancelada.

Registando normalmente uma participação a rondar os 5.000 atletas, distribuídos pelas seis distâncias que engloba – 10 km, 21 km, 42 km, 70 km, 110 km e 170 km, ou 100 milhas -, a prova corre agora o risco de ser mais uma vez cancelada, mesmo com todos os protocolos sanitários já definidos.