Um estudo do site RunRepeat revelou que as mulheres são mais rápidas do que os homens em distâncias superiores a 313 km (195 milhas).

Em colaboração com a Associação Internacional de Ultrarunners (IAU), o estudo The State of Ultra Running 2020 registou mais de 5.010.730 tempos em Ultramaratonas entre 1996 e 2018, tempos retirados de 15.451 provas, tanto de asfalto como de montanha.

Segundo o estudo, nas distâncias de 5 quilómetros, os homens são 17,9% mais rápidos do que as mulheres; numa Maratona, a diferença reduz-se para 11,1%, o mesmo a acontecer nas distâncias de 160 km (100 milhas), concretamente de 0,25%. No entanto, em provas com 313 km ou mais, as mulheres são 0,6% mais rápidas que os homens.

Este foi apenas um dos dados mais curiosos deste extenso estudo, elaborados pelo responsável pelos conteúdos da RunRepeat, Paul Ronto, e a especialista em Matamática Vania Nikolova.

Outro dado a reter no estudo é o número de corredores em 1996 (34.401 corredores) e os de 2018 (611.098), ou seja, e segundo os resultados desta pesquisa, um acrescento de 1676%… Destes participantes, 23% são do sexo feminino (eram de 14% em 1996). Portanto, nunca houve tantas mulheres a correr provas de Ultramaratonas.

O país que apresenta a melhor média em provas de Ultramaratonas é a África do Sul, com um registo de 10m36 por milha. Atrás surgem a Suécia (11m56/milha) e a Alemanha (12m01/milha).

LEIA TAMBÉM
Trail: eis as melhores dicas para teres sucesso (parte 2)

Por último, refira-se que os corredores melhoram o seu ritmo nas 20 primeiras provas, estabilizando depois o pace. Da primeira para a segunda corrida, há uma melhoria de 17 segundos por milha; já na 20.ª prova, essa melhoria regista uma média de 1m45/milha.

Em termos financeiros, refira-se que 10,3% dos corredores viajaram a um país para realizarem uma prova no estrangeiro.

LEIA TAMBÉM