Foto: Luca Papi Instagram

Assumido o desafio de fazer quatro Transgrancanaria 360° seguidas, ou seja, mais de 1.100 km e um desnível  superior a 100.000 metros, o ultrafundista italiano Luca Papi, que recentemente esteve em Portugal na PT281+, acabou por desistir devido a problemas físicos. Isto depois de 13 dias, 850 km e 41.242 metros de D+ cumpridos…

Apontado por muitos como um corredor à parte, uma verdadeira máquina de fazer quilómetros, Luca Papi viu frustrada o desafio a que decidiu chamar #GranCanaria1000k devido a uma dolorosa lesão no quadríceps direito, mas também às altas temperaturas que por esta altura se fazem sentir na Gran Canaria, Espanha,

Recorde-se que Papi começou o desafio de correr as quatro edições da Transgrancanaria 360° de uma só vez (mais de 1.100 quilómetros com um desnível acumulado superior a 100.000 metros, tudo isto num período aproximado de 15 dias) no passado dia 31 de agosto.

LEIA TAMBÉM
Luís Fernandes brilha na Transgrancanaria 2020 que teve dois vencedores

Luca Papi tinha ainda previsto fazer todo o desafio num regime de auto-suficiência e dormindo não mais que 1 hora e meia por dia.

No entanto, e com pouco mais de 48 horas para completar o desafio, o italiano radicado em França acabou por desistir, com 850 km e mais de 41.242 metros de D+ já somados.

Papi começou a sua aventura completando os 262 km da edição de 2020 da Transgrancanaria 360° em cerca de 72 horas, a que se seguiu o traçado de 269 km e 12.000 metros de D+ da edição de 2018.

Em seguida, e sem qualquer paragem pelo meio, o italiano deu início ao trajeto da edição de 2019, num total de 264 km e 13.265 metros de D+, embora, devido à lesão no quadríceps e ao elevado calor, tenha já cumprido grande parte do traçado a caminhar, o que fez que terminasse com um tempo de 102 horas e 10 minutos.

Luca Papi, ao centro
Luca Papi, ao centro

Por realizar ficou o trajeto da edição de 2017 da Transgrancanaria 360°, com a sua partida e chegada em Maspalomas.

De resto, e a ajudar a explicar a desistência, surge o facto de Luca Papi ter enfrentado condições meteorológicas particularmente invulgares e difíceis, com temperaturas acima dos 40 graus durante o dia e acima dos 30 graus durante a noite. Sendo que, a juntar a isto, surgiram os longos períodos sem conseguir abastecer-se de água, pelo menos seis trocas de pares de sapatilhas e pouquíssimas horas de sono.

Apesar de todas estas dificuldades, realce para o facto de Luca Papi, vencedor de três das quatro edições da Transgrancanaria 360°, nunca ter perdido a boa-disposição, agradecendo mesmo o forte apoio dos locais através da oferta de alimentos, bebida e até companhia durante muitas horas do desafio.

Infelizmente, tal acabou não sendo suficiente