O espírito do Tail esteve mais uma vez em foco na final do Tor des Glaciers após Jules-Henri Gabioud e Luca Papi terminarem a prova de mãos dadas. 

Os dois corredores terminaram a sempre épica corrida (448 km e impressionantes 37.319 metros de desnível positivo, com um tempo limite de 190 horas) em 138 horas e 17 minutos (a prova começou no dia 10 de setembro, na passada sexta-feira), uma aventura comum que o suíço Jules-Henri Gabioud e o italiano Luca Papi fizeram questão de a finalizar de mãos dadas, demonstrando todo o espírito do Trail. Recorde-se que Luca Papi venceu a mesma prova no ano passado.

O que impressiona neste feito é o que alcançou o italiano, presença frequente no nosso país em provas de ultradistância, já que esteve nos últimos três meses em corridas como a TransCanaria (1.200 km), TDS (145 km) e SwissPeaks 360k (360 km), ou seja, cerca de 2.000 km e um desnível positivo de 100.000 metros. Em três meses…

Recorde-se que, na prova mais curta, a Tor de Géants (330 km / 24.000m D+), tivemos como vencedores a espanhola Silvia Trigueros (terminou a prova na madrugada desta quinta-feira com 89h57), somando o seu terceiro triunfo consecutivo, e o italiano Franco Collé, com 66h43 (terceiro triunfo na carreira e novo recorde da competição).

De referir que o agora vencedor da Tor des Glaciers, Jules-Henry Gabioud, na altura com 24 anos, tem uma história no Tor des Géants. Há dez anos, acabou por vencer a corrida após a desclassificação de Marco Gazzola, sendo assim o único a ganhar as duas provas.