Paul Giblin ALUT 2019

Trail mais longo realizado em Portugal, o ALUT – Algarviana Ultra Trail deu, este domingo, por concluída a sua terceira edição, com a vitória do escocês Paul Giblin, que inclusivamente estabeleceu um novo recorde da prova: 38h06. Entre os portugueses, Rui Sequeira foi o melhor, ao terminar na segunda posição.

Paul Giblin, 42 anos, já havia participado na primeira edição do ALUT, em 2017. Mas só este ano conquistou a vitória na prova algarvia. E com um tempo recorde.

Terminada a prova, o escocês, que vive nos Alpes, revelou que tinha fixado como meta fazer os cerca de 300 quilómetros do ALUT – Algarviana Ultra Trail em 40, 41 horas, até porque «há já algum tempo que não fazia uma distância assim». «Mas acabou sendo uma excelente experiência», completou.

Apesar de ter sofrido de alguns problemas intestinais durante a prova, Paul Giblin conseguiu fazer o Algarviana Ultra Trail em menos tempo que as 40 horas inicialmente previstas
Apesar de ter sofrido de alguns problemas intestinais durante a prova, Paul Giblin conseguiu fazer o Algarviana Ultra Trail em menos tempo que as 40 horas inicialmente previstas

Estreante Rui Sequeira foi o melhor luso

Entre os portugueses, destaque para o segundo lugar de Rui Sequeira, com o tempo de 38h39, ou seja, mais 33 minutos que o vencedor.

LEIA TAMBÉM
Diogo Simão: «No Ultra endurance, o rácio é 35% físico e 65% mental»

Ultra-maratonista já com bastante experiência e que conta, no seu currículo, com uma participação no Tor de Geants, em 2018, Sequeira estreou-se este ano no ALUT.

Rui Sequeira e João Oliveira, dois ultramaratonistas portugueses, terminaram a edição deste ano do ALUT - Algarviana Ultra Trail, no segundo e terceiro lugares, respectivamente
Rui Sequeira e João Oliveira, dois ultramaratonistas portugueses, terminaram a edição deste ano do ALUT – Algarviana Ultra Trail no segundo e terceiro lugares, respectivamente

Finalmente, no terceiro lugar masculino, ficou João Oliveira, totalista da prova algarvia e vencedor das duas primeiras edições. Poucos dias depois de regressar do Brasil onde alcançou uma nova vitória para as cores de Portugal, o ultramaratonista terminou o ALUT com o tempo de 42h39.

Patrícia Carvalho venceu ALUT feminino

Na competição feminina, a vitória sorriu a Patrícia de Carvalho, outra totalista do Ultra Trail algarvio.

Patrícia completou os 300 quilómetros do ALUT – Algarviana Ultra Trail em 64h47m.

Totalista da prova algarvia, Patrícia Carvalho conseguiu suplantar a concorrência e terminar a edição deste ano do ALUT em pouco mais de 60 horas. Sendo que acredita que é possível fazer melhor.
Totalista da prova algarvia, Patrícia Carvalho conseguiu suplantar a concorrência e terminar a edição deste ano do ALUT em pouco mais de 60 horas. Sendo que acredita que é possível fazer melhor.

O que é o ALUT?

Ultra Trail com uma distância a rondar os 300 quilómetros e um desnível positivo de 6.680 metros, tudo isto cumprido na quase totalidade lado-a-lado com a Via Algarviana, o ALUT – Algarviana Ultra-Trail é uma prova tanto para atletas individuais, como para estafetas, equipas constituídas por quatro atletas.

LEIA TAMBÉM
Pela primeira vez uma mulher venceu a Big Backyard Ultra

Realizada em regime de semi-autonomia, com os atletas a guiarem-se pelo equipamento GPS, a prova é composta de 11 bases de apoio, onde os atletas devem passar e onde, no caso das estafetas, deverá ser feita a passagem de testemunho.

Além destas bases, a organização disponibiliza ainda pontos intermédios para abastecimento de líquidos.

A prova deve ser concluída num máximo de 72 horas.