A organização da Meia e Maratona de Valência revelou que vai reduzir os prémios pagos aos seus atletas da elite que correrem dias antes das provas.

No outono deste ano teremos centenas de corridas, já que muitas tiveram de ser adiadas para esta estação devido à Covid-19 (e vamos ver se serão mantidas…). Por isso, os convites aos grandes corredores deverão ser muitos, o que poderá colocar em causa os bons resultados das provas. 

Deste modo, a organização da Meia e da Maratona de Valência resolveu penalizar financeiramente os seus atletas de elite, que não podem correr dias antes em nenhuma prova, já que isso poderá prejudicar o seu rendimento nas provas espanholas.

«Participar em várias provas de Maratona e Meia, num curto período de tempo, piora a qualidade de vida do corredor de alto nível e impede a sua performance. Poucas pessoas, para não dizer quase nenhuma, beneficiam em competir de um modo indiscriminado, como se existisse unicamente o curto prazo, o aqui e agora. Por isso, e porque em Valência só queremos atletas que estejam comprometidos com os objetivos desportivos que impomos a nós próprios, vamos penalizar, por contrato, os honorários de quem correr nas semanas anteriores as nossas provas», revelou Juan Manuel Botella, coordenador da elite da Meia e Maratona de Valência.

LEIA TAMBÉM
Organizadores dos Jogos de Tóquio pedem para não haver público na rua na Maratona e na marcha

As penalizações são as seguintes:

Na Maratona, os honorários serão reduzidos em 50% se um atleta profissional terminar uma Maratona 100 dias antes, uma Meia 30 dias antes e uns 10 km 15 dias antes do dia 5 de dezembro.

Na Meia, o mesmo acontecerá se o atleta correr uma Maratona 85 dias antes, uma Meia 21 dias antes e uns 10K sete dias antes de 24 de outubro.

«O objetivo é que os nossos atletas estejam focados nas nossas metas, que, este ano, serão mais ambiciosas do que nunca. Não vamos tratar os profissionais como uma mercadoria, muito menos como um passageiro de um tour frenético pelo calendário da World Athletics. Sabemos que contamos com a compreensão dos treinadores, os representantes, as federações e a maioria dos desportistas no propósito comum de construir provas mais rápidas, mas também mais humanas, que consigam garantir a saúde e o alto rendimento da elite.»