Com três triunfos, o queniano Eliud Kipchoge, atual recordista do Mundo, é a principal ausência da Maratona de Berlim, agendada para domingo. Deste modo, na prova masculina, o favoritismo recai sobre as pernas de Kenenisa Bekele, da Etiópia. No feminino, favoritismo total para a queniana Gladys Cherono, também com três vitórias.

A Maratona de Berlim é sinónimo de recorde do Mundo. Dos 10 melhores tempos de sempre na distância, seis ocorreram nas ruas da cidade alemã. O último aconteceu precisamente no ano passado, quando Kipchoge correu os 42,195 km em 2h01m39. Kipchoge que, nos nossos dias, é o principal nome do Atletismo mundial e que vai falhar a prova de domingo devido ao desafio Ineos 1h59.

Assim, as câmaras fotográficas vão recair sobre Kenenisa Bekele, vencedor da Maratona de Berlim há três anos com o tempo de 2h03m03, quinto melhor tempo de sempre. No entanto, a verdade é que o etíope não consegue um grande resultado há algum tempo. Devido a ausência de Kipchoge, Bekele poderá novamente subir no último degrau da glória, algo que tem procurado nos últimos anos.

Para isso, Bekele terá de ser superior a alguns dos seus compatriotas, como Birhanu Legese, que venceu a Maratona de Tóquio em março, com 2h04m48, mas que tem no seu currículo 2h04m15 na Maratona do Dubai, em 2018. Nota também para Leul Gebrselassie (2h04m02) e Sisay Lemma (2h04m08).

Pelo Quénia, referência para Felix Kandie, com 2h06m03 como melhor marca pessoal, e Jonathan Korir, com 2h06m51. Nota ainda para as estreias dos quenianos Abel Kipchumba e Bethwel Yegon, que muitos acreditam que podem surpreender no domingo.

O Top 10 do Recorde do Mundo da Maratona
O Top 10 do Recorde do Mundo masculino da Maratona

Na elite, o melhor atleta europeu é o britânico Scott Overall, com 2h10m55. Nota ainda para a ausência do etíope Guye Adola, por lesão, uma dura baixa para os organizadores do evento.

Gladys Cherono em busca do quarto triunfo

Um dos motivos de interesse deste ano da Maratona de Berlim, com a ausência de Eliud Kipchoge, é a prova feminina, com Gladys Cherono à procura do seu quarto título em Berlim, um recorde na sua categoria (2h18m11 como melhor tempo pessoal). A queniana venceu em 2015, 2017 e 2018 e agora procura um inédito terceiro triunfo consecutivo na prova alemã.

A queniana teria como principal rival a compatriota Vivian Cheruiyot, mas, devido a uma lesão no tendão de Aquiles, não vai participar. Por isso, Cherono terá de ter cuidado com as etíopes Mare Dibaba (2h19m52), Haftamnesh Tesfay (2h20m13), Helen Tola (2h21m01) e Ashete Bekere (2h21m14).

LEIA TAMBÉM
Mundiais: Chepngetich vence Maratona, Salomé Rocha em 28.ª

Pela Europa, a principal atleta é a alemã Anna Hahner (2h26m44).

Como curiosidade, a Maratona de Berlim, uma das Six Majors, foi realizada pela primeira vez em 1974. Na ocasião, 286 pessoas de quatro nacionalidades correram a prova, terminando 244 atletas, 10 mulheres.

 O Top 10 do Recorde do Mundo feminino da Maratona
O Top 10 do Recorde do Mundo feminino da Maratona

O melhor homem alcançou o tempo de 2h44m53, enquanto a melhor atleta registou 3h22m01.

Hoje, a participação feminina aumentou nas últimas décadas para cerca de 25%.

O percurso da Maratona de Berlim
O percurso da Maratona de Berlim

Este ano, a Maratona de Berlim terá mais um motivo de interesse. Prova propícia para alcançar bons tempos, vários atletas vão procurar alcançar os tempos de qualificação olímpica, que, para homens, está em 2h11m30, e, para as mulheres, 2h29m30.

Na linha de partida teremos cerca de 47 mil atletas, oriundos de 150 países.