Runners take part in the 34th Beijing International Marathon which began at Tiananmen Square in Beijing on October 19, 2014, with many of the tens of thousands of participants wearing face masks, as the 42-kilometer course ended at the Olympic Park. CHINA OUT AFP PHOTO

A Associação de Atletismo da China (AAC) vai começar a punir corredores que façam algum tipo de fraude numa prova. O objetivo é colocar um ponto final no crescimento de batoteiros na Maratona, já que o país organiza este ano cerca de 500 corridas da mítica distância do Atletismo. Em 2020, serão 800…

 

Após a burla descoberta em dezembro passado na Maratona de Xiamen após uma tragédia, concretamente a morte de um corredor devido a um ataque cardíaco (foi descoberto posteriormente que o mesmo corria em nome de outra pessoa. Após uma investigação, mais 30 atletas foram excluídos), a AAC resolveu ser mais dura na fiscalização das provas, principalmente nas Maratonas.

A entidade revelou que, se um corredor participar com um nome falso ou recorrer a um substituto a meio da corrida, poderá ser banido de vez do desporto caso a burla aconteça pela segunda vez (se o infrator cometer uma burla pela primeira vez, a AAC “apenas” impedirá o atleta de se inscrever na prova em que a fraude foi cometida). O aviso está claro para os batoteiros na Maratona: quem fizer batota, poderá nunca mais correr uma prova oficial no país.

LEIA TAMBÉM
Dois rivais erram o percurso nos metros finais e quem vence é o terceiro

De referir que a Maratona na China é hoje uma febre nacional. No ano passado, e segundo dados fornecidos pela AAC, foram organizadas cerca de 330 Maratonas em 133 cidades, corridas que acolheram a participação de três milhões de pessoas.

O Governo chinês já acordou para esta nova realidade e os apoios aos principais nomes da modalidade estão a aumentar. O objetivo é o país ter um ou dois candidatos a lutar pela medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de 2020, que serão realizados em Tóquio.

Na última Maratona de Pequim, com a participação de 30 mil corredores e já com 36 edições, os vencedores foram os etíopes Mekuant Ayenew (fez a sua estreia na distância. O seu tempo foi de 2h11m09) e Meseret Mengistu (2h25m56).