Como milhões de pessoas, o recordista do mundo da Maratona, Eliud Kipchoge, também está em confinamento social mas, como milhares, continua a realizar os seus treinos, evitando assim possíveis lesões no futuro.

Na sua conta do Instagram, Kipchoge colocou há dias uma foto com o seguinte texto:

«No início da manhã apreciei, sozinho, esta maravilhosa corrida, quando as estradas estão vazias. Sinto a falta dos meus companheiros de equipa nos treinos, mas o nosso principal objetivo, neste momento, é manter a saúde.»

Recorde-se que Kipchoge, este ano, tinha como objetivo principal defender em Tóquio o seu título olímpico na Maratona alcançado há quatro anos no Rio de Janeiro, algo que foi obrigado a adiar para 2021, assim como a Maratona de Londres, uma prova que iria reunir um dos duelos mais esperados nos últimos anos, entre o queniano, detentor da melhor marca mundial com 2h01m39, e Kenenisa Bekele, segundo melhor maratonista de sempre, com 2h01m41.

Apesar do confinamento, Kipchoge revela nas suas redes sociais que continua a treinar, sempre de acordo com as normas exigidas pelo seu país. Aliás, o queniano voltou à Eldoret, onde mora, para ficar com a sua família neste período de pandemia. O queniano, aquando da obrigação do confinamento social no Quénia, encontrava-se com os seus companheiros de treino em Kaptagat, onde habitualmente realiza a sua preparação para as provas.

Kipchoge fez questão de salientar ainda que é essencial continuar a treinar neste período de pandemia, mesmo em casa. Segundo o queniano, caso os corredores aumentem a carga de treino após o término da quarentena, provavelmente haverá uma maior propensão às lesões.

«É essencial continuar a treinar», defendeu Kipchoge.

Entretanto, o queniano tambem aproveitou as suas redes sociais para elogiar os profissionais de saúde de todo o mundo.

Thank you healthworkers

A message to all healthworkers around the world. Thank you.#WorldHealthDay

Publicado por Eliud Kipchoge em Terça-feira, 7 de abril de 2020