jesse thomas

Único adversário a conseguir vencer o todo-poderoso Jan Frodeno em competição, o norte-americano Jesse Thomas acaba de anunciar a retirada, aos 40 anos. Muito provavelmente, para alegria secreta do alemão…

Tudo aconteceu em maio de 2016, quando Jan Frodeno anunciou que iria participar no IRONMAN Lanzarote, levando toda a gente a acreditar que a vitória estava, a partir desse momento, entregue.

LEIA TAMBÉM
Jan Frodeno nadou 3,8 km, pedalou 180 km e correu uma Maratona… em casa

No entanto, e para grande surpresa geral, um problema com o alemão, logo na T1, em que Frodeno levou mais de dois minutos para conseguir colocar o capacete, acabou fazendo com que o resultado final não fosse o esperado. Foi quando irrompeu um praticamente desconhecido Jesse Thomas para não mais perder a liderança e, consequentemente, a vitória final.

Surpreendente na altura, o triunfo do norte-americano, conhecido também pelos seus óculos de aviador, tornou-se ainda mais invulgar à medida que o tempo foi passando e Frodeno retomou o domínio no triatlo mundial, só não vencendo, a partir daí, no Kona 2017, mas por ser obrigado a desistir devido a lesão.

Quanto a Thomas, não apenas ganhou projeção mundial, como rapidamente conquistou o coração dos fãs do triatlo pela forma descontraída e até divertida como encarou muitas participações. Como, por exemplo, na Milha da Cerveja de Kona, quando correu de muletas, ou ainda quando participou numa prova de 5 km disfarçado de dinossauro.

Hoje em dia com 40 anos, o norte-americano volta a surpreender, mas agora por vir anunciar a sua retirada.

LEIA TAMBÉM
Triatleta alemão propõe-se realizar um IRONMAN dentro de casa

«Passaram dois anos desde a última vez que competi, numa prova de triatlo, mais concretamente no Challenge Roth», recorda Jesse Thomas no comunicado em que anunciou a despedida. «Tirei seis meses para concentrarmos na Picky Bars [a sua empresa de nutrição], sendo que, quando decidi regressar e correr uma Maratona, acabei lesionando-me no pé, o que me obrigou a parar mais um ano. E eis que chegou a COVID-19, demonstrando que o tempo voa.»

Com cinco vitórias no currículo, dois em provas de distâncias maiores e três em distâncias médias, o americano aceita o repto de que o seu percurso poderá ter ficado aquém das expectativas, ainda que «não de forma a que me faça querer voltar. Trata-se apenas de nostalgia: sinto falta das pessoas, da camaradagem, da competição, mas também estou a desfrutar muito da fase seguinte».

Um caminho seguido também por Talansky

De resto, Jesse Thomas não é o único que, nos últimos tempos, decidiu abandonar a competição. Também Andrew Talansky, atleta que passou pelo triatlo mundial um pouco em bicos de pés, apesar de alguns bons arranques, acaba de anunciar a retirada.

«Confirmo que deixei o desporto profissional no passado mês de novembro», informou através das suas redes sociais o ciclista norte-americano, que entretanto também se mudou para Maui. A partir de agora, «só a minha família, a minha vida e as aventuras que encontraremos pelo caminho».