Foto: Instagram Jardy Clifford

Atleta paralímpico australiano que, por causa da sua deficiência visual, compete na categoria T12-T13, Jaryd Clifford é, hoje em dia, um dos nomes grandes do Desporto Paralímpico. Isto muito por culpa dos vários recordes já alcançados, defendendo que «o medo torna-nos mais fortes».

O palmarés é já hoje em dia, e apesar da ainda pouca idade, verdadeiramente impressionante: campeão do mundo paralímpico dos 1.500 e 5.000 metros, em 2019; detentor do recorde mundial dos 1500 m para atletas com deficiência visual (3m45s18); atleta mais rápido da história nos 5000 m (14m05s40s); e melhor corredor do mundo nos 10 km em pista (29m43). Sendo que, durante o confinamento, Jaryd Clifford conseguiu fazer esta mesma distância em 29m30.

Com 21 anos de idade, Clifford é, assim e com propriedade, uma das referências do atual Desporto Paralímpico. A quem, nem mesmo os problemas de visão deverão ser suficientes para impedi-lo de continuar a somar marcas e recordes.

LEIA TAMBÉM
Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Tóquio adiados para 2021

«Todos nós temos medo de perder a visão», comenta Jaryd, acrescentando que «só a ideia de que a minha visão vai continuar a piorar assusta as pessoas à minha volta e a mim próprio. Quando corro e não consigo ver mais do que alguns poucos metros à frente, sinto medo. Quando vou à cidade sozinho, tenho medo. No entanto, a verdade é que o medo também nos torna mais fortes».

A importância do guia

Com dificuldades visuais desde os três anos, Jaryd Clifford conta, no entanto, no desporto de competição com o apoio de um guia, Tim Logan, corredor com o qual, diga-se, realiza um verdadeiro trabalho de equipa.

Foto: Instagram Jaryd Clifford
Foto: Instagram Jaryd Clifford

De resto, e nas provas mais longas (5.000 metros), só Tim pode não chegar, razão pela qual Jaryd é obrigado, por vezes, a recorrer não a um, mas a dois guias de forma a que sua prestação não saia prejudicada.

Aliás, e ainda sobre o papel do guia, importa dizer que é determinante na obtenção dos melhores resultados. Isto porque, durante a prova, vai comunicando permanentemente com o atleta, informando-o sobre a posição em que ambos se encontram no pelotão, mas também sobre o lugar em que se encontra cada um dos restantes adversários.

O apoio da Nike… na luta pelos recordes

No caso específico de Jaryd, e fruto também dos excelentes resultados já obtidos, o australiano tornou-se no primeiro corredor paralímpico do seu país a assinar um contrato com a multinacional de equipamento desportivo Nike.

View this post on Instagram

Nothing beats this feeling.

A post shared by Jaryd Clifford (@jarydclifford) on

Apoio que, em conjunto com as capacidades da equipa que tem consigo, mas também com a sua juventude, faz crer com que o australiano seja o primeiro atleta com deficiência visual a correr uma milha em menos de quatro minutos.

A par desta marca, Jaryd Clifford aspira a várias medalhas nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e, principalmente, nos Jogos de Paris, agendados para 2024.

No entanto, tão ou mais importante do que todos estes objetivos, para Jaryd é mudar aquela que é a percepção generalizada das pessoas relativamente aos cegos, mostrando-lhes que tudo é efetivamente possível, mas também que o correr pode mesmo mudar vidas.