Numa altura em que Portugal começa a sair, progressivamente, do confinamento imposto pela pandemia de coronavírus, um estudo realizado pela empresa finlandesa Suunto demonstra que nem mesmo o vírus conseguiu parar os atletas em Portugal.

Baseando-se em dados recolhidos pelos utilizadores dos seus relógios de desporto, a Suunto revela agora que nem mesmo a pandemia conseguiu impedir que os desportistas portugueses deixassem de fazer a sua atividade.

Pelo contrário, estas mesmas informações permitem concluir que, se durante o período entre 1 de janeiro e 15 de março de 2020 uma média de 41,5% não deixou de cumprir os respetivos desportos outdoor, desde a corrida à caminhada, do ciclismo ao trail running, durante o confinamento esse número aumentou em 12%.

LEIA TAMBÉM
Novo estudo defende que exercício físico reduz sete tipos de cancro

Já no que concerne à prática de desportos indoor, que durante o primeiro período registava uma média de 14,7%, com a chegada da pandemia esse mesmo número disparou para os 21,6%.

De resto, e ainda sobre os desportos indoor, a Suunto defende que, entre os mais praticados durante o confinamento, estão a bicicleta, a passadeira, os treinos de circuito, o yoga e o crossfit.

Entretanto, e com o aliviar do confinamento, a prática de desportos em espaços fechados diminuiu para números próximos dos registados no primeiro trimestre de 2020, mais precisamente para os 14,6%. Ao mesmo tempo, os desportos de exterior ganharam praticantes, subindo 11% face à média anterior.

Numa altura em que continua a crescer o número de praticantes de atividades exteriores, mas também em que o conceito de distância de segurança faz cada vez mais sentido, a Suunto aproveita para recordar as vantagens dos Mapas de Calor, disponíveis através da Suunto App, para saber, a cada momento, as zonas que se encontram com mais transeuntes.