Recordista mundial dos 5.000 e 10.000 m, Joshua Cheptegei tem algumas curiosidades que não devbe conhecer. Revelamos seis delas…

Considerado o sucessor de Eliud Kipchoge na Maratona, Joshua Cheptegei tem, como todo mundo, algumas curiosidades na sua vida. Estas são tres:

  • O futebol foi o seu primeiro amor
    Natural da aldeia de Kwoti, em Kapchorwa, região de grande altitude no Uganda, onde também cresceu, o jovem Joshua começou por jogar futebol, como a grande maioria das crianças africanas. Por vezes, e já na primária, também experimentava o triplo salto ou o salto em comprimento, mas continuavam a ser os desportos de equipa a sua maior paixão. A situação mudou quando, ao vê-lo participar nalgumas corridas escolares, Benjamin Njia, um amigo que é hoje em dia o seu treinador de há vários anos, percebeu a técnica e os dotes físicos indicados para o fundo.
    «Quando o vi a correr percebi o seu talento, pelo que acabei convencendo-o a dedicar-se ao Atletismo. Ele começou a correr a sério em 2004, sendo que, dez anos depois, recebeu a primeira recompensa ao vencer o Mundial Juvenil de 2014, em Eugene, nos 10.000 metros», comentou Nija.
    De resto, Kapchorwa, a região do Uganda onde tanto Kipchoge como Nija cresceram, é já conhecida como uma área da qual saíram vários corredores de meio-fundo e fundo de primeiro plano, como é o caso do Stephen Kiprotich, campeão olímpico da Maratona de Londres 2012.

LEIA TAMBÉM
Joshua Cheptegei alcança em Valência o recorde do mundo dos 10.000 metros

  • Foi um desaire no Cross que acabou impulsionando a carreira de Cheptegei
    Tudo aconteceu em 2017, ano em que Uganda recebeu o Campeonato Mundial de Cross, competição em que Cheptegei era apontado como o atleta que levaria o país anfitrião à vitória. E a verdade é que a corrida até começou bem para Joshua, que, à passagem do 6.º quilómetro, assumiu o comando isolado da corrida apenas para, já na última volta, começar a perder velocidade. Já sem forças, passou a linha da meta no 30.º posto.
    Em declarações aos jornalistas  e já com o desaire digerido, Cheptegei reconheceu que «foram várias semanas para conseguir superar o sucedido. Sempre que conhecia alguém, parecia que sentiam pena de mim. E, quando me perguntavam o que havia acontecido, isso só me fazia sentir ainda mais mal. Invariavelmente acabava por ficar em casa, já que não me apetecia ver ninguém.
    Já em 2018, Cheptegei haveria de conseguir as marcas mundiais nos 5.000 metros e nos 10.000 metros, na Gold Coast, isto depois de, ainda em 2017, ser segundo, atrás de Mo Farah. Posteriormente, já em 2019, o ugandês chegaria mesmo a alcançar o seu primeiro título mundial no Cross, em Aarhus, Dinamarca, temporada que concluiria com o ouro nos 10.000 metros, no Mundial de Doha.
  • Soma já quatro recordes mundiais em dois anos
    Joshua Cheptegei tem por hábito utilizar a cidade holandesa de Nijmegen para treinar, tendo mesmo já ganho, por quatro vezes, a corrida local de 15 km. Na qual, aliás, e já em 2018, melhorou a marca mundial na distância em oito segundos, com o tempo de 41m05.
    Já em 2019, o melhor crono da história nos 10 km em estrada na ocasião, com um tempo de 26m38, obtido em Valência. Marca que veio retirar seis segundos ao anterior recorde, fixado em 2010. Este ano, com 26m24, Rhonex Kipruto mehorou o seu tempo.
    Em 2020, e pouco antes da chegada da pandemia de COVID-19, novo recorde mundial dos 5 km em estrada, com um tempo de 12m51, no Mónaco (anterior marca: 13m22).
    Após o confinamento, Joshua conseguiu baixar o recorde de Bekele nos 5.000 metros, em 1s99, colocando a fasquia nos 12m35. Feito a que se seguiria, há um par de dias, um outro, que foi o recorde do mundo dos 10.000 metros, com o tempo de 26m11.

Deseja mais três curiosidades de Joshua Cheptegei?

  • Além de corredor, Cheptegei também é inspector da Polícia do Uganda
    Hoje em dia conhecido mundialmente como um fundista de topo, Joshua Cheptegei tem, no entanto, outra profissão no Uganda: inspetor da Polícia.
    O ingresso nas forças da autoridade aconteceu no momento da passagem para sénior, altura em que Cheptegei foi selecionado para a Polícia do Uganda. Sendo que, a partir daí e graças também aos feitos realizados, o fundista tem vindo a subir na hierarquia, detendo hoje em dia a patente de inspetor. Mas pode não ficar por aqui, com algumas fontes a avançarem que Joshua pode mesmo chegar a «assistente de superintendente de Polícia», uma vez terminada a sua excepcional carreira no Atletismo.
  • Um defensor do fim da mutilação genital feminina
    Num país em que o flagelo da mutilação genital feminina continua sendo uma realidade, também nas zonas onde nasceu e onde vive, Kalenjin, Joshua Cheptegei tornou-se, há já algum tempo, como um dos rostos opositores a esta prática, defendendo o seu fim.
    Ainda hoje realizada em cerca de 29 países, a mutilação genital feminina tem, de resto, vindo a crescer no Este do Uganda, apesar do país ter criminalizado a sua prática em 2010. Situação que levou Cheptegei a apoiar os esforços para erradicar esta tradição, defendendo mesmo que deveria encarar-se este «flagelo» como «uma prioridade».
    «Podemos unir-nos e acabar com a mutilação genital feminina em Kapchorwa e em outros partes do país e do mundo», sentenciou o fundista.
  • É um amante da literatura
    Tendo frequentado durante dois anos a Universidade de Bugema, Cheptegei acabou por abandonar a sua licenciatura em Educação, na qual se estava a especializar em línguas e literatura.
    A contribuir para este abandono, uma das visitas à State House Lodge, a residência presidencial do Uganda em Entebbe, em que o Presidente do país, Yoweri Museveni, aconselhou Joshua Cheptegei a concentrar-se na sua carreira desportiva, ao mesmo tempo que se comprometia a construir uma pista de treinos em Kapchorwa.