Christian Varley

Em mais uma iniciativa merecedora de reconhecimento, o triatleta Christian Varley correu mais de 800 quilómetros em 19 dias com o único e exclusivo objetivo de angariar fundos para a luta contra a pandemia de coronavírus na Ilha de Man. E a verdade é que acabou por recolher quatro vezes mais do que o inicialmente esperado…

Natural da Ilha de Man, Christian Varley não conseguiu manter-se à margem daquele que tem sido o impacto da pandemia de coronavírus também nesta pequena ilha.

Com uma população que não chega aos 28 mil habitantes, a Ilha de Man conta já com um total de 24 mortos e 335 casos positivos de COVID-19. Números que fizeram disparar os alertas de preocupação quanto a um possível disseminar da pandemia, mas também a reação de atletas locais como Christian Varley, que decidiram atuar de forma a angariar fundos para apoio no combate a esta doença.

LEIA TAMBÉM
Jakob Ingebrigtsen regista o primeiro recorde pós-coronavírus

No caso de Varley, o desafio que se pôs a si mesmo foi correr 19 maratonas em 19 dias. Todavia, o britânico não só conseguiu alcançar a sua meta, como foi mais além, já que acabou por angariar quatro vezes mais dinheiro que o inicialmente previsto. Quanto? Mais de 92 mil euros!

No enfrentar deste difícil e desgastante desafio, verdadeiramente emocionante, o momento mais gratificante terá sido a última etapa. Com chegada em Douglas, a capital da ilha, o atleta não só contou com o pai Tony junto à linha de meta, como, ao longo de todo o percurso, recebeu inteso apoio da parte das pessoas que já sabiam o objetivo que estava por detrás da corrida.

De resto, foi também aí que Christian Varley ficou a saber que os contributos para a Manx Solidarity Fund, a organização local encarregue de ajudar os infectados desta ilha situada no mar da Irlanda, haviam disparado.

«A população foi incrível. Eu sabia que haveria muita gente no final, mas nunca pensei que viesse a ser como foi. Assim que terminei de correr, fui buscar a minha filha. Acho que nunca me senti tão emocionado», comentou o alteta de 33 anos à CNN logo após concluir a primeira das maratonas planeadas. Acrescentando, já à cadeia de rádio local Manx, «que dia tão especial! Vai ser difícil superar tudo isto!».

Entretanto, os ecos da sua proeza acabaram chegando a outras latitudes, provocando várias reações, como de Mo Farah, que, além de palavras de incentivo, desafiou Varley a continuar a angariar fundos para a referida organização. Ou do ciclista galês Geraint Thomas, o qual decidiu juntar-se à causa. Ou até mesmo de outro atleta também ele residente na Ilha de Man, o ciclista Mark Cavendish, que também acabou contribuindo para reunir mais dinheiro para a causa.

LEIA TAMBÉM
Hélio Fumo desafia portugueses a alimentar a corrida da solidariedade

Quanto a Varley, reconheceu que a sua iniciativa começou, verdadeiramente, quando se deu conta do «efeito devastador» da pandemia, garantindo que o mais fácil foi, sem dúvida, correr.

«As pessoas doentes já estão, neste momento,  a receber ajuda da fundação, sendo que foi esse o motivo que me fez entrar neste desafio», afirmou o triatleta em declarações à BBC. «O apoio da comunidade, assim como de todas as pessoas que estão por detrás deste desafio, era o único combustível de que eu necessitava como motivação. Precisava desse apoio, já que não conseguiria fazê-lo sozinho. De resto, acho que nunca mais farei nada do género.»

«É algo fantástico, sem dúvida, mas também é um sacrifício muito grande», afirmou Christian Varley após o concluir os mais de 800 quilómetros em apenas 19 dias.