O recorde europeu dos 25000 metros do norueguês Sondre Moen ficou marcado pelo uso da tecnologia Wavelight, que pode substituir as lebres nas provas, por exemplo.

Tecnologia criada pela empresa holandesa Sports Technology, a Wavelight teve a sua estreia em 2018, no Meeting de Hengelo, mas ganhou agora um novo relevo com o recorde de Sondre Moen, que, a partir dos 10000 metros, deixou de ter lebres para correr em solitário, apenas com a ajuda das luzes da pista de atletismo, luzes que ditaram o ritmo que o norueguês tinha de correr para alcançar o recorde europeu dos 25000 metros.

Esta revolucionária tecnologia faz com que já não seja preciso correr com lebres tendo em vista a obtenção de recordes, pelo menos para marcar o ritmo do tempo pretendido (não podemos ignorar que as lebres proporcionam outras vantagens, como a proteção do vento frontal, por exemplo).

Aplicadanos recentes Impossible Games, de Oslo, a Wavelight foi um autêntico êxito no evento. Por exemplo, as luzes também foram acesas no recorde europeu dos 2000 metros alcançados por Jakob Ingebrigtsen.

LEIA TAMBÉM
Sondre Moen estabelece novo recorde da Europa nos 25000 metros

Ou seja, uma prova de que poderemos ver em breve a sua utilização em outros meetings do mundo. Mas não só, já que as possibilidades desta nova tecnologia são inúmeras, inclusive nos treinos.

De referir que, na sua conceção, a Sports Technology recebeu o apoio, entre outros, do lendário Jos Hermens, representante de, por exemplo, Eliud Kipchoge e Kenenisa Bekele.

Segundo os seus criadores, as luzes permitem ao público acompanhar se o atleta está ou não dentro do seu objetivo, um pouco como acontece com as provas de natação na televisão, quando temos uma linha a marcar o recorde do mundo na distância.

«É um instrumento que permite realizar sessões muito específicas. Agora é muito mais fácil controlar grupos de treino maiores, por exemplo, de 20 personas, que executam diferentes sessões. Já não é necessário termos quatro cronómetros diferentes em funcionamento. Permite-me centrar a minha atenção a 100% nos atletas e analisar a evolução», afurmou Bram Som à World Athletics.