A Federação Internacional de Atletismo (IAAF) continua à procura de novos conceitos para a modalidade, como aconteceu recentemente com a Nitro Athletics Series. A mais recente novidade acontecerá no Mundial de Corta-mato, no domingo, com uma prova mista de 8 km.

 

O objetivo da IAAF é claro: atrair mais público para o seu desporto. Para isso, é necessário criar mais espetáculo, oferecer um Atletismo mais atrativo, dinâmico e visual, embora nunca se afastando da essência da modalidade. No Mundial de Corta-mato, este fim-de-semana, em Kampala, no Uganda, a IAAF vai estrear uma prova inédita no seu calendário sénior: a estafeta mista.

 

LEIA TAMBÉM
Bolt corre os 150m, lidera a sua equipa e vence a Nitro Athletics Series na última prova

 

No total teremos 13 países na corrida com quatro elementos, dois homens e duas mulheres. Cada um correrá um percurso de dois quilómetros no Mundial de Corta-mato, sendo a ordem estabelecida de acordo com cada equipa (podem correr primeiro as mulheres e depois os homens, por exemplo). A zona de transição terá 20 metros.

O interessante desta invulgar estafeta é termos a correr, ao mesmo tempo, homens e mulheres, o que aumentará a incerteza dos vencedores. Outro motivo de interesse é a distância. Por ser tão “curta”, não há estratégia a seguir, a não ser correr o mais rápido possível.

Os especialistas já fizeram as suas apostas e acreditam que o triunfo nesta nova prova do Mundial de Corta-mato ficará entre Quénia e Etiópia, que têm nas suas respetivas equipas dois dos melhores corredores da história nos 1500 metros.

 

LEIA TAMBÉM
Portugal sem seniores e com duas juniores nos Mundiais de Corta-mato

 

Os quenianos contam com Asbel Kiprop, três vezes campeão do Mundo e olímpico em 2008 (campeão junior em 2007 no Corta-mato), além de Beatrice Chepkoech, Winfred Nzisa Mbite e Bernard Kipkorir Koros.

Já Genzebe Dibaba, recordista mundial nos 1500 metros ao ar livre e em pista coberta e que pretende conquistar no Uganda a sua oitava medalha de ouro, é o principal nome da Etiópia, que apresenta na equipa os nomes de Yomif Kejelcha, Welde Tufa e Bone Cheluke.

Atenção também para a Turquia, que pode surpreender no Mundial de Corta-mato, já que conta na equipa com Yasemin Can, campeã europeia nos cinco e dez mil metros, e Ali Kaya, campeão europeu no Corta-mato em 2015.

De referir que a prova distribuirá um prémio total de 27 mil euros para os quatro primeiros, com os vencedores a dividirem um montante de 11 mil.

Cartaz do Mundial de Corta-mato
O cartaz do Mundial de Corta-mato de 2017