O Mundial de Atletismo tem sempre histórias marcantes. A primeira aconteceu logo no primeiro dia, quando Braima Suncar Dabó, de Guiné-Bissau, ajudou Jonathan Busby, de Aruba, a terminar os 5000 metros.

Os primeiros aplausos de pé do Mundial de Atletismo de Doha não foram para os campeões, mas para Braima Suncar Dabó e Jonathan Busby, que, ao passar mal durante a prova dos 5000 metros, foi ajudado pelo primeiro, que abdicou da sua corrida.

Numa eliminatória que teve como vencedor Selemon Barega (13m24s69), Busby, de 33 anos, apenas cruzou a meta devido a preciosa ajuda de Dabó, que fez questão de apoiar o “adversário” para que este terminasse os 5000 metros no Munidal de Atletismo.

Vencedor da Meia-maratona de Aruba com o tempo de 1h23m54, Busby foi atropelado em março, sendo convidado pela IAAF para participar no Mundial de Atletismo, correndo a prova de 5000 metros.

Na prova de hoje, na última volta, o atleta de Aruba esteve próximo de desmaiar e desfalecer, algo que apenas não aconteceu devido a intervenção de Dabó, que terminou a sua corrida com o tempo de 18m10s87. Já Busby foi desqualificado por ter recebido ajuda externa.

«Eu tinha o objetivo de representar o meu país da melhor maneira possível e também de melhorar o meu recorde pessoal. Quando faltavam três voltas para o fim, percebi que não iria superar o meu melhor registo, 17m30. Éramos os únicos atletas em pista e por isso achei que o melhor era ajudá-lo do que passar por ele. Acredito que qualquer pessoa, na minha situação, faria o mesmo», referiu o guineense no final.

 De referir que Dabó vive em Bragança, Portugal.