Numa Maratona que causou enorme celeuma devido às condições climatéricas, a queniana Ruth Chepngetich foi a grande vencedora de uma prova que começou às 23h59 no Qatar. A portuguesa Salomé Rocha ficou na 28,ª posição.

Temperatura: 32 graus; sensação térmica: 40 graus; humidade: 74%. Ou seja, não foi fácil correr a Maratona do Mundial de Doha, como todos previam.

Numa prova que ficou marcada pelo seu baixo ritmo, o mais baixo de sempre na história do evento, a vitória acabou por sorrir para a queniana Ruth Chepngetich, que registou o tempo de 2h32m43.

A Maratona mais lenta dos Mundiais tinha sido realizada em Osaka 2007, quando Catherine Ndereba venceu com o registo de 2h30m37.

Apesar de ser a prova mais lenta de sempre, não se pode desvalorizar a façanha de Chepngetich, fruto das condições que teve de ultrapassar para alcançar o seu primeiro título mundial. De referir que, este ano, a queniana já tinha ganho a Maratona do Dubai, com 2h17m08, o seu melhor tempo pessoal.

LEIA TAMBÉM
A primeira história do Mundial de Atletismo aconteceu nos 5000 metros

Atrás de Chepngetich ficou Rose Chelimo, também do Quénia mas que corre pelo Bahrein, campeã há dois anos, com o tempo de 2h33m46, e Helalia Johannes, da Namíbia, com 2h34m15.

Para termos uma ideia das dificuldades da prova, refira-se que as três atletas etíopes, todas favoritas ao triunfo final, abandonaram a corrida, concretamente Ruti Aga (2h20m40), Rosa Dereje (2h20m51) e Shure Demise (2h21m05). Das 68 atletas que começaram a prova, 23 não chegaram ao fim…

Referência ainda para a melhor atleta europeia, Volha Mazuronak, da Bielorrússia. Atual campeã da Europa, terminou na quinta posição com o registo de 2h36m21 (mesma colocação alcançada nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016).

Já a norte-americana Roberta Groner, enfermeira e mãe de três filhos, foi sexta aos 41 anos, com 2h38m44.

Por último, Salomé Rocha, que realizou uma excelente primeira metade de corrida. No entanto, a portuguesa, única representante nacional na Maratona, tanto no feminino como no masculino, sentiu o esforço e chegou a andar na prova por duas ocasiões. Mas felizmente recuperou e acacabou por alcançar o 28.º lugar, com o tempo de 2h58m19.