Carlos Lopes Maratona

Numa altura em que se comemoram 35 anos sobre a conquista da medalha de ouro olímpica na Maratona, por intermédio do “nosso” primeiro campeão olímpico nos 42,195 km, o próprio Carlos Lopes dá, em entrevista exclusiva aos Corredores Anónimos, o segredo do sucesso. E que está também já disponível, em vídeo, no Youtube.

«Eu treinei a corrida da forma que eu entendia que tinha de ser feita», recordou, em entrevista aos Corredores Anónimos, o eterno campeão olímpico da Maratona.

Já sobre a estratégia que resultou no ouro olímpico, o segredo, revela, residiu primeiro em «conhecer bem a distância; segundo, conhecer-me a mim na distância; terceiro, conhecer muito bem os meus adversários. Todos».

Trinta e cinco anos depois do feito, o nosso eterno campeão olímpico da Maratona, Carlos Lopes, recordou, para os Corredores Anónimos, os segredos que o ajudaram a garantir a medalha de ouro
Trinta e cinco anos depois do feito, o nosso eterno campeão olímpico da Maratona, Carlos Lopes, recordou, para os Corredores Anónimos, os segredos que o ajudaram a garantir a medalha de ouro

Uma vitória que foi também estreia

De resto, «nunca havia ganho Maratona antes da vitória nos Jogos», embora fosse recordista da Europa nos 10.000 metros, recorda Carlos Lopes. Que, ainda sobre a abordagem ao ouro olímpico, salienta outro fator igualmente importante:

«Eu treinei a Maratona para chegar aos 37 km e, a partir dos 37 km, ser eu a decidir. E estava preparado para fazer os últimos 10 km em cerca de 29 minutos, o que, ainda hoje, é extraordinário. Sabia que se fizesse 14m30 [aos 5 km], ganhava de certeza!»

Ainda segundo o campeão olímpico, «acabei fazendo 14m36», ou seja, «30 segundos de vantagem» que lhe permitiram garantir o lugar mais alto do pódio.

LEIA TAMBÉM
Carlos Lopes: «Não foi o dinheiro que me levou a correr a Maratona, foi a medalha de ouro»

«E foi porque não foi preciso acelerar mais!…», conclui Carlos Lopes.