A polaca Magdalena Gorzkowska, vice-campeã mundial dos 4×400 metros, revelou que encontrou mais emoções no Alpinismo do que no Atletismo, que considera «monótono».

«Definitivamente, o alpinismo oferece-me mais emoções positivas e grandes experiências de vida. Não podemos negar, correr é muito monótono e aborrecido», afirmou Magdalena Gorzkowska à RMF FM.

Prata no Mundial de Pista Coberta 2016, em Portland, Estados Unidos (apenas atrás dos Estados Unidos), a polaca apresenta 52s95 nos 400 metros como a sua melhor marca.

LEIA TAMBÉM
Sente que a fase intermédia da corrida é a altura mais difícil? Dizemos-lhe como enfrentá-la

Cansada de dar voltas e mais voltas à pista, Gorzkowska, agora com 28 anos, trocou há tempos o Atletismo pelo Alpinismo, apresentando no seu currículo escaladas ao Mont Blanc, Aconcágua, Kilimanjaro e Evereste, por exemplo.

Aliás, a polaca tornou-se em 2018 a mulher mais jovem da Polónia a escalar a montanha mais alta do mundo, na ocasião com 26 anos e 17 dias.

Gorzkowska prepara neste momento o seu próximo desafio, escalar o K2 no Inverno. Para tal, a polaca tem realizado treinos diários de corrida de 10 km pela primeira vez na sua carreira de corredora. No entanto, «com pesos no tornozelo para simular os pesados sapatos que terei de utilizar na minha escalada».

«Realizo treinos aeróbicos, mas também anaeróbicos. Ou seja, treinos intervalados durante várias semanas. Faço ainda treinos de força, como correr com desnível positivo e em escadas.»