Corrida solidária que reúne atletas de todo o mundo, com o objetivo declarado de apoiar a investigação à procura da cura das lesões na espinal medula, a Wings for Life World Run decorre este domingo, dia 3 de maio, embora num formato distinto do habitual devido à pandemia de coronavírus.

O anúncio foi feito pela organização do evento, que, só no ano passado, reuniu mais de 120 mil corredores em todo o mundo. As alterações já definidas para a edição deste ano devem-se à atual situação de saúde pública, decorrente da pandemia de coronavírus.

Assim, e ainda segundo também revelou a organização do evento à Agência Lusa, todos os atletas que queiram participar na edição de 2020 da Wings for Life World Run poderão fazê-lo a partir do momento em que descarreguem a aplicação móvel com o nome da prova.

LEIA TAMBÉM
Vera Nunes não pensava correr mas foi «na onda» e acabou por vencer a Wings for Life World Run

No entanto, e para poderem fazê-lo, os atletas têm de pagar o valor de 15€, montante que, refere a organização, será entregue, na totalidade, às instituições que se dedicam à procura da cura para as lesões na espinal medula.

Uma prova sui generis

Recorde-se que a Wings for Life World Run é uma prova na qual não existe uma distância ou meta fixa e em que os participantes são perseguidos por um carro meta virtual, que arranca 30 minutos depois da saída do pelotão e que vai aumentando progressivamente a velocidade até alcançar o corredor que segue na frente.

Específico desta prova é também o facto de decorrer em simultâneo, através da internet, nos mais variados pontos do globo e cruzando vários fusos horários.

LEIA TAMBÉM
Luís Pereira: «A Wings for Life World Run é a uma prova “o último a cair”»

120 mil, com portugueses em destaque

Em 2019, a Wings for Life World Run mobilizou mais de 120 mil participantes de 186 nacionalidades, os quais somaram um total de 1.103.276 quilómetros, em 323 localizações distintas, nos cinco continentes.

Resultado que significou um total de 3,5 milhões de euros arrecadados, posteriormente investidos na procura da cura para as lesões na espinal medula.

De referir ainda que os portugueses têm tido uma presença muito significativa nesta corrida solidária, sendo que a maratonista Vera Nunes chegou mesmo a vencer uma das corridas de 2018.