Tommy Hughes

Tommy Hughes, aos 60 anos, com uma marca pessoal na Maratona de 2h13m59, acaba de fixar um novo recorde mundial dos 3000 metros na sua categoria, com o tempo de 9m41s25!

Tommy Hughes alcançou o recorde mundial nos 3000 metros nos Campeonatos Master Indoor na Irlanda, prova em que o veterano atleta correu a uma média de 3m14 por quilómetro, algo improvável para um atleta da sua idade, mesmo nas várias casas de apostas de todo o mundo, como a Betclic Portugal.

De resto, em 2019 e com 59 anos, Hughes conseguiu outro feito, mas na Maratona, ao terminar a distância, na categoria pai e filho, com um tempo de 2h27m52, ao passo que o seu filho fez 2h31m3. Ou seja, os dois terminaram com um tempo final conjunto de 4h59m22, menos dois minutos e 50 segundos do que o até então recorde mundial de 5h02m12, fixado em 2015, por Graham e Ben Green.

LEIA TAMBÉM
Kathleen Stewart com novo recorde do mundo nos 400m no escalão V80

Os troféus do passado

Em evidência, a verdade é que não faltam bons momentos e resultados na carreira de Tommy Hughes, entre os quais está a vitória na Maratona de Dublin de 1991, já depois dos triunfos na corrida de Belfast de 1988 e 1989.

Já a nível internacional, Hughes conta com uma vitória na Maratona de Melbourne, Austrália, em 1988.

Hoje em dia com 60 anos, Tommy Hughes é um ex-atleta de elite com marcas de registo
Hoje em dia com 60 anos, Tommy Hughes é um ex-atleta de elite com marcas de registo

No entanto, verdadeiramente importante, foi a cambalhota que Tommy Hughes protagonizou numa altura em que se aproximava dos 60 anos e começou a acreditar que os seus dias de corredor de elite estavam a acabar.

O irlandês caiu então na bebida até que lhe foi diagnosticado um problema de paratiróides, que um médico ajudando-o a recuperar o ânimo. Já na Maratona de Frankfurt de 2019, obteve um novo recorde mundial na sua categoria, ao terminar com o tempo de 2h27m52 (leia aqui).

Tempo que, refira-se, é cerca de cinco minutos mais rápido que o realizado por Hughes nos Jogos Olímpicos de Barcelona de 1992, onde esteve com as cores da Irlanda, e que terminou com a marca de 2h32m55, culpa também de uma fratura de stress na corrida decisiva.