Caster Semenya

Caster Semenya, estrela da Áfica do Sul e que ainda sonha com Tóquio, foi condenada a 50 horas de serviços comunitários por excesso de velocidade.

Após ser presa na quinta-feira e libertada sob fiança de cerca de 30 euros, a sentença de Caster Semenya foi revelada: 50 horas de serviços comunitários por excesso de velocidade. Para a atenuação da pena foi considerada a confissão de Semenya, que admitiu ser culpada.

Recorde-se que Semenya, de 30 anos, procura alcançar neste momento a qualificação para os Jogos Olímpicos de Tóquio nos 5.000 metros, apesar de a sua especialidade ser os 800 metros, onde sustenta, entre outros títulos, duas medalhas de ouro olímpicas.

Esta alteração deve-se ao facto da World Athletics ter limitado os níveis de testosterona abaixo das 5 nanomoles por litro durante um período contínuo de, pelo menos, seis meses se os atletas pretendem correr provas entre 400 metros e uma milha (cerca de 1.600 metros).

LEIA TAMBÉM
Sabe a melhor forma de colocar e atar os atacadores? Revelamos-lhe seis formas de o fazer

Esta norma vai contra o ADN de Semenya, que produz de maneira natural uma quantidade de testosterona superior aos níveis estabelecidos pela World Athletics. A sul-africana acusa por isso a entidade de impor regras discriminatórias, obrigando a pessoas sãs a tomar medicação.

Em fevereiro passado, Semenya apresentou o seu caso ante o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, na sua procura de reverter a decisão da World Athletics.