Sara Vieites Ferreiro Espanha

São provas de superação como esta que nos fazem continuar a correr: Sara Vieites nasceu com paralisia cerebral e, segundo os médicos, acabaria por a impedir inclusivamente de andar. No entanto, hoje em dia, com 11 anos, Sara não só anda, como até participa em provas de Atletismo!

O caso, impressionante, faz-nos acreditar que nada é impossível, desde que tenhamos força de vontade e determinação suficientes para tal. Basta, tão-só, não desistir!

Sara Vieites Ferreiro é uma criança espanhola, hoje em dia com 11 anos, que nasceu com um género de paralisia cerebral que lhe afecta os membros inferiores.

LEIA TAMBÉM
Hannah Gavios: da tentativa de violação para a Maratona de Nova Iorque

No entanto e apesar de ter nascido assim, os médicos não conseguiram detectar a paralisia cerebral nos primeiros meses de vida, só se apercebendo da situação a partir do momento em que Sara começou a tentar dar os primeiros passos.

A confirmação da paralisia cerebral de Sara Vieites

A confirmação surgiu com uma ressonância que acabou por detectar um tipo de paralisia cerebral que afecta a parte inferior do seu corpo.

Apesar da sentença médica de que a filha nunca iria andar, os pais de Sara recusaram-se a baixar os braços e tornaram-se os principais impulsionadores da luta da filha
Apesar da sentença médica de que a filha nunca iria andar, os pais de Sara recusaram-se a baixar os braços e tornaram-se os principais impulsionadores da luta da filha

Em declarações ao diário “La Voz da Galicia“, que deu voz à história, a mãe, Martina Ferreiro Rial, recorda que «disseram-nos que não tivéssemos ilusões porque ela não chegaria a andar».

A força da vontade

No entanto, e ao invés de aceitarem esta sentença, os pais de Sara decidiram lutar contra a doença, impelindo e motivando a filha para que não se resignasse a passar a vida numa cadeira de rodas.

«Na altura disseram-nos que não íamos conseguir contrariar o destino, mas nós tínhamos a certeza de que conseguiríamos. Assim, passámos a ir à praia para que ela gatinhasse, levantávamo-nos às seis da manhã para que a Sara pudesse ir à fisioterapia e não faltasse à escola, ainda que tenha havido dias que, simplesmente, não havia outra hipótese senão faltar», conta Martina Ferreiro Rial.

A primeira corrida

A verdade é que, tanto fruto da determinação dos pais, como da força de vontade da própria Sara, foi já com sete anos que, um certo dia, a jovem decidiu participar numa corrida inclusiva, juntamente com o amigo. E que seria a primeira de muitas corridas em que participaria!

Contudo, e nesta prova, ainda participou de cadeira de rodas. Sendo que, nesse mesmo ano, participaria, pela primeira vez, no circuito Correndo pola Costa, e que seria o seu verdadeiro primeiro contacto com um mundo que a tem ajudado a prosseguir naquele que é o seu objectivo último: caminhar.

Depois de ter participado, na sua primeira corrida, de cadeira de rodas, Sara já consegue, hoje em dia, fazer um quilómetro completo sem qualquer apoio
Depois de ter participado, na sua primeira corrida, de cadeira de rodas, Sara já consegue, hoje em dia, fazer um quilómetro completo sem qualquer apoio

A evolução

Entretanto, e a partir do momento em que fez o circuito Correndo pola Costa, Sara passou a inscrever-se em várias corridas, nas quais, numa primeira fase, participava com um andarilho, até que, numa fase mais recente, já conseguia correr alguns momentos sem qualquer apoio.

«A força que lhe falta nas pernas tem-na na cabeça», comenta, em declarações ao periódico galego, a mãe de Sara. Determinação que, diga-se, já fez com que a jovem conseguisse correr um quilómetro completo sem o andarillho.

LEIA TAMBÉM
Thomas Panek foi o primeiro cego a terminar uma Meia-maratona de Nova Iorque com cães-guia

O reconhecimento do mundo da corrida

Protagonista de uma história que La Voz da Galicia deu a conhecer, Sara vai agora ter o seu momento de reconhecimento.

Numa das primeiras corridas que fez, apoiada num andarilho, Sara apresentou-se com uma camisola do Deportivo da Corunha. O que fez com que, inclusivamente, tenha sido convidada a conhecer e dar alguns passos com o futebolista Lucas Pérez.
Numa das primeiras corridas que fez, apoiada num andarilho, Sara apresentou-se com uma camisola do Deportivo da Corunha. O que fez com que, inclusivamente, tenha sido convidada a conhecer e dar alguns passos com o futebolista Lucas Pérez.

A jovem de 11 anos foi convidada pela organização do circuito Correndo pola Costa da Norte para entregar um prémio com o seu nome, na gala que terá lugar no próximo dia 13 de dezembro.

Prémio que, além da distinção que constituirá para quem o receber, será também um testemunho da força de vontade e determinação de Sara Vieites Ferreira – ela, sim, merecedora de todos os prémios!