O atleta Victor-Ricardo Santos e a sua mulher, a velocista britânica Bianca Williams, dizem ter sido alvo de discriminação e racismo por parte da polícia britânica.

Como escreve este domingo o The Sunday Times, os dois atletas foram parados por uma patrulha policial quando se dirigiam para o treino. Incompreensivelmente, foram algemados, mesmo com o filho de ambos no carro, de apenas três meses.

Nas imagens é possível ver como as forças policiais obrigam o casal a sair do carro, inclusive forçam a saída de ambos.

Williams, de 26 anos e campeã da Europa 2018 nos 4×100 metros, e Victor-Ricardo Santos, de 25 anos e recordista português nos 400 metros, acreditam que foram parados por serem negros e estarem a conduzir um carro Mercedes.

O português refere inclusive que, desde que mudou de carro, em novembro de 2017, já foi parado por mais de 15 vezes pelas autoridades britânicas.

LEIA TAMBÉM
COI proíbe manifestações anti-racismo de apoio a George Floyd nos Jogos

«É sempre a mesma história com o Ricardo. A polícia acredita que é um carro roubado ou que ele está a fumar marijuana. Tudo devido a sua raça e pela forma como fala, como se fosse escória…», afirmou Williams.

O casal disse também que vai apresentar uma queixa contra as autoridades policiais de comportamento violento.

Entretanto, Linford Christie, campeão olímpicos dos 100 metros nos Jogos Olímpicos de Barcelona, em 1992, qualificou de racista o comportamento dos agentes policiais.

Veja aqui o vídeo de tudo o que aconteceu.