No Mundo da Corrida não há aparelho mais polémico do que a passadeira, aparelho estrela durante o confinamento mas que foi um instrumento de tortura no século XIX.

Poucos sabem, mas a origem da passadeira não é a mais digna, já que foi criada com o intuito de penalizar os presos na Grã-Bretanha do século XIX, sendo inclusive banida em 1898 devido ao martírio que causava aos reclusos. Algo inesperado de um aparelho que, este ano, ganhou um novo estatuto mundial, já que milhares de corredores recorreram e continuam a recorrer a sua utilização nos treinos e em corridas virtuais, por exemplo.

A invenção da passadeira é entregue a Sir William Cubitt, que, em 1818, criou um aparelho para penalizar os presos da Grã-Bretanha.

Entre o isolamento e a pena de morte, a passadeira acabou por ser mais um castigo imposto aos reclusos, que, através de um tapete rolante, faziam girar um moinho com o intuito de triturar o trigo ou bombear água. Por isso o nome em inglês, treadmill (em tradução livre, moinho de andar).

LEIA TAMBÉM
Sabe aquela dica de correr na passadeira a 1% de inclinação? Esqueça…
Matthias Kyburz regista o novo recorde do mundo dos 50 km napassadeira
Superado o recorde do Mundo das 12 horas a correr na passadeira

Há informações de que os presos eram submetidos a cargas de 6h00, durante 5 dias seguidos, uma carga realmente enorme tendo em vista as condições em que (sobre)viviam, principalmente a nível alimentar.

Mas a verdade é que a invençã de Sir William Cubitt tornou-se famosa e várias prisões do Império Britânico construíram as suas passadeiras, um verdadeiro pesadelo para os presos. O tormento só teve um fim em 1898, quando foi proibido a sua utilização na prisões após várias manifestações contra a sua utilização.

Uma década e meia depois, no entanto, as passadeiras regressaram, mas com outros fins. Claude Lauraine Hagen patenteou, nos Estados Unidos, a primeira training machine, uma máquina que já continha, por exemplo, a possibilidade de simular uma inclinação.

No entanto, foi a partir de 1952, devido ao cardiólogo Robert Arthur Bruce, que as passadeiras começaram a ganhar um relevo exponencial, também em termos caseiros. Pouco a pouco, a passadeira ganhou o seu espaço na sociedade, muito devido aos ginásios, e tornou-se um aparelho indispensável para muitos, mas jamais como agora aconteceu durante a pandemia.

No entanto, e para muitos corredores dos nossos dias, a origem da criação da passadeira continua a prevalecer, já que muitos atletas consideram uma verdadeira tortura correr em cima dela. Mesmo em tempos da Covid-19…

LEIA TAMBÉM