Prejudicado, como muitos outros atletas, pelo adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para julho de 2021, Mo Farah fixou já um novo próximo objecivo para este ano: o britânico vai tentar derrubar o recorde da hora em pista já em setembro, propriedade de Haile Gebrselassie.

Com uma preparação quase toda ela direcionada para os Jogos Olímpicos de Tóquio e para a conquista do terceiro título olímpico consecutivo nos 10.000 metros, o britânico Mo Farah viu totalmente defraudadas as suas expetativas, assim como todo o trabalho que vinha a realizar, com o adiamento dos próximos Jogos para o período entre 23 de julho e 8 de agosto de 2021.

LEIA TAMBÉM
Marc Scott supera o registo europeu de pista coberta de Mo Farah nos 5000 metros

Confrontado com uma situação que não estava à espera e não pretendendo desperdiçar o pico de forma para o qual estava a trabalhar, Farah fixou já novo objectivo para o ano em curso. Mais concretamente, o ataque ao recorde da hora em pista, atualmente na posse do enorme Haile Gebrselassie, que, em 2007, em Ostrava, na República Checa, arrebatou mais esse recorde ao percorrer 21,285 quilómetros em 60 minutos.

Segundo informações já divulgadas, o britânico de origem somali vai fazer a sua tentativa em Bruxelas, a 4 de setembro, durante o Memorial Ivo Damme, da Liga Diamante, procurando fazer o máximo de voltas durante a hora em que decorre o desafio.

Nesta tentativa, Mo Farah contará com o apoio de um atleta local, Bashir Abdi, que já é um dos companheiros de treinos do britânico. Ao mesmo tempo, o britânico vai tentar derrubar o recorde europeu da hora, na posse do holandês Jos Hermens, o qual, em 1976, conseguiu correr 20,944 quilómetros em 60 minutos. Marca que, diga-se, chegou a ser também recorde mundial.

Recorde-se que o recorde mundial da hora já esteve na posse de vários atletas ilustres, como foi o caso de Paavo Nurmi, finlandês que é hoje considerado um dos maiores atletas de todos os tempos e que chegou a deter este título, com uma marca de 19,210 quilómetros.

Este resultado só seria derrubado por outro grande nome, Emil Zátopek, com conseguiu a distância de 20,052 quilómetros numa hora.

View this post on Instagram

Considerado por muitos o melhor corredor de fundo da história 💪, o checo Emil Zatopek alcançou 18 recordes do mundo, além de quatro medalhas de ouro olímpicas (e mais uma de prata). Oriundo de uma família de carpinteiros, foi obrigado a deixar a escola para se empregar numa fábrica de calçados devido às dificuldades dos seus progenitores 😢, o que, para muitos especialistas, acabou por moldar o seu caráter para o sacrifício que as provas de fundo exigem. O checo descobriu a corrida por mero acaso, quando terminou na segunda posição uma prova de estrada sem nenhum treino. Encontrou no desporto o seu escape para as 10 horas de trabalho na fábrica, mas foi no exército que conseguiu treinar com mais afinco, sempre seguindo o seu próprio esquema 😲, revolucionário para a época e um conceito ainda hoje utilizado na modalidade. Na sua segunda corrida nos 10 mil metros, ficou a um segundo (29m37) do recorde do mundo. Pouco depois, ganhou em Londres 1948 o seu primeiro ouro olímpico, precisamente na recente distância descoberta (ganhou ainda a medalha de prata nos 5000 metros). No ano seguinte, alcançou o seu primeiro de quase duas dezenas de recordes mundiais, concretamente nos 10 000 metros, com 29m28s2. Foi o primeiro homem a correr a distância em menos de 29 minutos, em Bruxelas (1954), com 28m54s2, e o primeiro a correr os 20 km em menos de uma hora (59m51), em Stara Boleslav (1951) 👌. Tem no seu curriculum 38 provas de 10 mil metros entre maio de 1948 e junho de 1954 sem nenhuma derrota. Dois anos antes do desaire, nos Jogos Olímpicos de Helsínquia, em 1952, ganhou três medalhas de ouro com os respetivos recordes das provas (5000, 10000 metros e Maratona, onde fez a sua estreia – 2h23m03). A sua última prova foi em janeiro de 1958, quando ganhou o Crosse de San Sebastian, em Espanha. Morreu em 2000, com 78 anos. Detentor de uma medalha Pierre de Coubertin, a principal honra olímpica, deixou um legado enorme para a modalidade, também com o seu estilo único 🔝, já que parecia estar sempre em sofrimento. Conhecia Zatopek? Deixe o seu comentário abaixo 👇

A post shared by Corredores Anónimos (@corredoresanonimos.pt) on