Trata-se de um daqueles casos particularmente condenáveis, devido à forma como insistentemente defendia o contrário: Ophélie Claude-Boxberger, atleta francesa especialista na corridas de obstáculos, acaba de registar controlo positivo por EPO.

O Atletismo francês vive, definitivamente, um dos seus piores períodos: depois dos maus resultados obtidos pelo seleccionado gaulês no último campeonato do Mundo, em Doha, e dos casos de doping protagonizados por atletas franceses como Morhad Amdouni, Clemence Calvi ou Samir Dahmani, eis que novo escândalo atinge a modalidade, em França.

Ophélie Claude-Boxberger, meio-fundista especialista em corridas de obstáculos, e que vive maritalmente com um dos médicos da Federação Francesa de Atletismo, acaba de ser igualmente apanhada nas malhas do doping, ao acusar eritropoetina sintética (EPO), num controlo.

Até aqui um dos rostos que assumia a defesa por um Atletismo sem doping, Ophélie Claude-Boxberger acabou agora apanhada nas malhas do doping
Até aqui um dos rostos que assumia a defesa por um Atletismo sem doping, Ophélie Claude-Boxberger acabou agora apanhada nas malhas do doping

Ophélie Claude-Boxberger apanhada a dias do Mundial de Doha

A recolha-surpresa terá sido feita no passado dia 18 de setembro, ou seja, apenas alguns dias antes de Ophélie Claude-Boxberger viajar para Doha, para participar no último Campeonato do Mundo de Atletismo.

LEIA TAMBÉM
Abraham Kiptum suspenso por doping perde o seu recorde do mundo da Meia-maratona

A francesa teve, aliás, uma participação discreta no Mundial, não conseguindo apurar-se para a final. Acabando afastada na sua eliminatória, ao terminar no 14.º lugar da série.

As “ligações” à Federação Francesa de Atletismo

O caso de Ophélie Claude-Boxberger ganhou ainda maior dimensão, pelo facto da atleta viver maritalmente com um dos médicos da Federação Francesa de Atletismo, Michel Serra.

Ophélie Claude-Boxberger, aqui na fila da frente, sobre a direita, foi uma das atletas francesas que garantiram o apuramento para o Mundial de Doha, onde França teve uma das piores prestações em eventos do género
Ophélie Claude-Boxberger, aqui na fila da frente, sobre a direita, foi uma das atletas francesas que garantiram o apuramento para o Mundial de Doha, onde França teve uma das piores prestações em eventos do género

Serra tinha, de resto, já enviado, no passado mês de Junho, um mail à Agência Francesa de Anti-Dopagem, queixando-se de que Ophélie estava a ser exageradamente controlada, esta temporada.

Um dos rosto do movimento “Correr Limpo”

Quanto a Ophélie, chegou mesmo a chamar a atenção, ao publicar, no passado mês de Abril, uma foto no seu Instagram, na qual surgia lado-a-lado com outras atletas, segurando um cartaz onde se podia ler “We Run Clean”, ou, “Nós Corremos Limpas”.

A viver maritalmente com um dos médicos da Federação Francesa de Atletismo, Ophélie Claude-Boxberger chegou a posar por um Atletismo mais limpo
A viver maritalmente com um dos médicos da Federação Francesa de Atletismo, Ophélie Claude-Boxberger chegou a posar por um Atletismo mais limpo

Ironicamente ou não, era a própria Ophélie Claude-Boxberger quem, na foto, segurava o cartaz com a palavra “Limpa”.