Brigid Kosgei confirmou o favoritismo e foi a grande vencedora da Maratona de Londres, numa prova onde as portuguesas Carla Salomé Rocha e Sara Catarina Ribeiro desistiram.

Numa corrida em que a fundista queniana manteve sempre o controlo dos acontecimentos, Brigid Jepscheschir Kosgei esperou até aos 30 km para lançar o seu ataque, altura em que deixou para trás as adversárias e correu sozinha em direção à meta.

Kosgei, recordista mundial da prova com o tempo de 2h14m04 (prova mista, Chicago 2019), dominou por completo a prova, isolando-se das adversárias no quilómetro 30 para terminar a corrida com o tempo de 2h18m58 (1h08m13 + 1h10m45), numa corrida marcada pelo frio e a chuva.

LEIA TAMBÉM
Maratona de Londres 2020: o que esperar de Kosgei e restantes atletas

Quanto aos restantes lugares do pódio na Maratona de Londres deste ano, surpresa para a prestação da americana Sara Hall, que, depois de se manter no 10.º lugar durante grande parte da corrida, arrancou para uma prestação surpreendente ao conseguir, inclusivamente, passar uma das favoritas, a queniana Ruth Chepngetich, no sprint final, para assim terminar no segundo lugar.

Hall concluiu a Maratona de Londres, com o tempo de 2h22m01 (passou a Meia em 1h10m27 e a segunda metade fez em 1h11m34), ou seja, apenas menos 15 segundos que a sua melhor marca na distância. É ainda a primeira norte-americana a subir ao pódio da Maratona de Londres depois de Deena Kastor ter vencido a corrida londrina em 2016 e fixado o recorde americano nos 42,195 km.

Outra norte-americana que brilhou foi Molly Seidel, com 2h25m13, sexta colocada, também com um recorde pessoal.

Quanto a Chepngetich, terminou quatro segundos depois de Hall, com o tempo de 2h22m04, assegurando o terceiro e último lugar do pódio.

Se Kosgei confirmou a sua expetativa na Maratona de Londres, o mesmo não aconteceu com as portuguesas Carla Salomé Rocha e Sara Catarina Ribeiro (as duas já com mínimos para os Jogos Olímpicos de Tóquio, no próximo ano), ambas com o intuito de melhorarem os seus registos pessoais. No entanto, o frio e a chuva acabaram por impedir as portuguesas de terminarem a corrida. Enquanto Sara Ribeiro deixou a prova antes dos 15 km, Salomé Richa abandonou próximo dos 30 km, após uma boa primeira metade (14.º lugar, com 1h12m26).

Recorde-se que o recorde mundial da Maratona apenas com mulheres foi alcançado precisamente em Londres, em 2019, por Mary Jepkosgei Keitany (2h17m01).