Numa altura em que o mundo tenta reagir ao confinamento imposto pelo COVID-19, também no desporto surgem tentativas de regresso a uma suposta normalidade, como é o caso da Maratona de Fukuoka, agendada para 6 de dezembro.

Servindo também como uma espécie de teste para os Jogos Olímpicos de Tóquio, que, ainda assim, terão lugar só em 2021, a Maratona de Fukuoka acaba de ver confirmada a sua realização para o dia 6 de dezembro deste ano.

A prova contará este ano com poucos atletas estrangeiros, já que a organização exige uma quarentena de 15 dias no país aquando da sua chegada devido à manutenção das rígidas limitações à entrada de nacionais de outros países no Japão.

A edição deste ano da Maratona Internacional de Fukuoka, não só se realizar-se-á com um pelotão reduzido, com menos de 100 atletas, como assim contará apenas com alguns estrangeiros, a sua grande maioria (senão mesmo a totalidade…) residentes no Japão. É o caso de uma equipa de treino queniana igualmente baseada em território japonês e liderada por Bedan Karoki, patrocinada pelo gigante automóvel Toyota.

LEIA TAMBÉM
A máscara que faz furor entre os corredores no Japão

Ainda assim, não se pense que a corrida não contará com atletas com marcas de bom nível, como é o caso do japonês Ryu Takaku, o qual tem como melhor marca este ano 2h06m45, ou ainda do vencedor da edição de 2018 e membro da equipa olímpica japonesa para a Maratona, Yuma Hattori e Taku Fujimoto, respetivamente. Sendo que, o primeiro atleta a passar a linha de meta na edição de 2019, o marroquino El Mahjoub Dazza, só não estará presente porque acabou desclassificado devido a irregularidades no passaporte biológico.

A prova contará ainda com um lote de corredores masculinos com tempos abaixo das 2h10 – onze, ao todo -, além de sete que terminaram a edição do ano passado no Top Ten.

Aliás, Hattori afirmou publicamente que vai apresentar-se à partida com o objetivo declarado de derrubar o recorde japonês da Maratona, atualmente na posse de Suguru Osako, com 2h05m29. Conta para isso com o apoio dos colegas de equipa Karoki e Fujimoto, além do seu ex-colega na Toyo University, Takaku.

Finalmente, entre os estrangeiros, destaque para o queniano que reside em Shizuoka, Michael Githae, o qual se apresenta para a prova tendo como melhor marca pessoal 2h09m21, tempo conseguido em 2018 na Maratona do Lago Biwa.