Kolt Codner, de 33 anos, correu recentemente a sua primeira Maratona, uma Maratona que vai ficar para sempre guardada na sua memória, não por conseguir o seu objetivo, mas por ser realizada ao redor do hospital onde o seu filho recupera de um cancro.

Kolt Codner e a mulher foram ao pediatra devido a uma eventual alergia de Andrew, de 4 anos. No entanto, o diagnóstico foi mais grave do que pensaram, concretamente uma leucemia linfoblástica aguda, uma doença maligna do sangue devida à produção excessiva de células imaturas da linha linfoide, ou linfoblastos, que não chegam a células maduras.

Desde então, Kolt Codner encontrou na corrida o seu escape, tendo decidido agora correr uma Maratona ao redor do Hospital Infantil de Akron, no Ohio, Estados Unidos. Ao mesmo tempo, decidiu reunir fundos para a unidade hospitalar.

«Este hospital portou-se muito bem com Andrew. Fez com que esta doença tão aterradora pela qual nunca desejas passar tenha sido a mais branda possível», afirmou Codner à revista Runner’s World. «Queríamos devolver todo este carinho e fazer algo por um hospital que tem um impacto incrível nas nossas vidas

Corredor há dois anos, Codner começa os seus treinos às 5h00, altura em que consegue estar pensativo e coloca a sua mente em ordem. «A corrida sempre foi um refúgio para mim por tudo aquilo que passámos», admite. No seu trajeto matinal, passa sempre pelo hospital de Akron para saudar o seu filho, que está no quarto a recuperar. 

A força do filho na recuperação, assim como das restantes crianças internadas, acabaram por fazer com que o abnegado pai corresse uma Maratona, concretamente a Maratona de Akron, que tornou-se virtual devido a pandemia.

O seu desafio acabou por ganhar relevo na sua cidade e no país e Kolt Codner, além de concluir com êxito a Maratona, conseguiu arrecadar cerca de 12 mil euros/83 mil reais.

LEIA TAMBÉM
A dor faz parte, o sofrimento é uma escolha

De referir que, ao longo de todo o percurso, Codner foi apoaido pela família, amigos e desconhecidos, mas também por Andrew, que também correu por vezes com o pai, Andrew que ainda tem 26 meses de tratamento.

Por útlimo, de referir que Coldner terminou a sua primeira Maratona em 5h19. 

«Nem sempre tive essa grande conexão emocional com a corrida que muitos corredores têm. Mas, agora, evidentemente que isso foi alterado», conclui o norte-americano após terminar a Maratona que correu para homenagear a luta do seu filho e de outras crianças, que lutam diariamente contra o cancro.