Ruben Costa testou o novo Kinvara 8, da Saucony, uma marca na qual não tinha grandes conhecimentos, embora fosse uma marca que lhe despertava uma certa curiosidade há algum tempo. No final, e após cerca de 50 km com o Kinvara 8 calçado, a certeza de que a Saucony faz desde já parte do seu vocabulário de corrida…

 

Quando surgiu a oportunidade de experimentar uns ténis da marca americana Saucony não hesitei em aceitar, simplesmente porque é uma marca que me despertava uma certa curiosidade já há muito tempo. Troco regularmente os meus ténis de corrida, tenho modelos para diferentes distâncias (dado que faço provas de 10 km, mas também Meias-maratonas e Maratonas) e costumo estar atento aos novos modelos que surgem, indo a lojas de diferentes marcas sempre que preciso de substituir equipamento já mais desgastado e estando atento a sites da especialidade. No entanto, nunca ponderei a compra de uns Saucony, apesar de já ter ouvido falar muito bem desta marca.

Parti então para este teste sem saber muita informação sobre a marca e sobre as características dos ténis. Lá fui estudar um pouco e testar muito. Como referi, não conhecia a marca e muito menos o modelo, pelo que não iria fazer qualquer comparação com versões anteriores.

A primeira impressão, assim que abri a caixa, foi bastante positiva. Iria testar o modelo Kinvara 8 na versão de cor preto/verde florescente. Pessoalmente, esta combinação foi muito bem conseguida pela Saucony, criando um design bastante apelativo, com uma suave transição da cor preta, da frente para a parte traseira, terminando em verde fluorescente. Dá um caráter simples e sóbrio aos ténis.

 

 

A segunda impressão foi a leveza, 224 gramas anunciada pela marca e confirmadas por mim. Este modelo difere dos meus habituais ténis de corrida por ter um drop de 4 mm, algo que não estava habituado.

Em termos de caraterísticas, a parte superior dos ténis é constituída por uma fina camada sintética chamada de Flexfilm, que proporciona uma incrível flexibilidade ao pé e ajuda no peso geral dos ténis, uma vez que há quase uma total ausência de sobreposição de camadas de têxteis e também das habituais costuras.

Na entresola, a Saucony utiliza a tecnologia Everun, que, segundo a marca, proporciona um bom amortecimento e um excelente impulso.  Sendo um modelo para passada neutra, a sola, com EVA+, é constituída por um conjunto de borracha estrategicamente posicionada para possibilitar que a cada passada os ténis agarrem bem o piso e proporcionem impulsão, ajudando assim na rapidez. 

Estas três caraterísticas, Flexfilm, Everun e EVA+, foram confirmadas nas várias corridas que fiz. Se por um lado o facto de terem um peso leve deixou-me confiante que seriam um bom modelo para velocidade, estava algo apreensivo se teriam um bom amortecimento, tendo em consideração que meço 1m89 e peso cerca de 80kg). Mas nada como sair com os ténis para a rua e fazer alguns treinos/provas com eles…

 

Testámos o Kinvara 8 na Corrida 1.º de Maio

 

A sensação ao calçar é muito agradável, sendo que os Kinvara 8 da Saucony são bastante confortáveis (com um tecido interior muito macio e um bom acolchoamento em torno do tornozelo/calcanha) e leves (a sensação de leveza é notória, mal se sentem nos pés).

Após apertar os atacadores tive a sensação que estes não eram de grande qualidade, como acontece em marcas concorrentes.  No entanto, e juntamente com o sistema Pro-Lock, dois pequenos apoios sobre a parte lateral dos ténis, proporcionam uma boa estabilidade, evitando que o pé possa sofrer torções desnecessárias a cada passada ou mudança de direção.

Fiz no total quatro treinos com eles, sendo que procurei terrenos mistos para avaliar melhor o seu comportamento: um treino em estrada de 10 km, um treino com passagem numa mata, também de 10km, acompanharam-me ainda num treino com a mesma distância na Cidade Universitária e na Corrida do 1º de Maio, de 15km.

Logo no primeiro treino, inicialmente pensado para cerca de 8km suaves, que seria para um primeiro contato com os ténis, rapidamente cheguei aos 10km e com um ritmo médio muito superior ao inicialmente pensado. Era notório que a sola e a entressola proporcionavam uma boa aderência ao piso e impulsão a cada passada. 

 

LEIA TAMBÉM
Perdeu a sapatilha e mesmo assim fez o segundo tempo de sempre nos 3000m obstáculos

Por norma, até os pés se adaptarem aos ténis, tenho tendência a fazer bolhas ou marcas de fricção. Inesperadamente, após os primeiros km, nem uma única bolha nos pés. Excelente indicação de que o material de construção e o conforto eram claros.

O receio que tinha em relação ao amortecimento não se veio a comprovar. São uns ténis leves, sim, mas com um bom amortecimento, conforto e estabilidade. Uma boa opção, tanto para distâncias curtas como para distâncias médias/longas. Além de vários treinos, não mais de 10km, testei-os numa prova de 15 km (Corrida 1º de Maio), que seria a maior distância que os Kinvara 8 iriam percorrer, e sempre me senti muito bem com eles. 

Podia até ter sido um pouco imprudente por levar uns ténis novos para uma prova, passado apenas três treinos, mas o certo é que estava confiante que me iria sentir muito bem com eles. Não criaram bolhas nem os senti a aquecer em demasia (apesar de o calor ter apertado um pouco nesse dia). Notei até que são bem respiráveis e frescos. 

Embora agarrem bem em alcatrão, num piso com alguma areia ou mais liso notei que a sola não proporciona uma boa tração, mas em alcatrão são super eficazes.

O facto de desconhecer a marca e este modelo em particular nunca me deixou de pé atrás, aliás, bem pelo contrário, queria rapidamente calçá-los e ir para a rua e treinar o máximo possível. Embora tenha feito poucos km, tenho a sensação que são uma excelente opção para quem quer uns ténis de corrida leves mas eficazes no que diz respeito a velocidade e conforto, porque, se por um lado a sua construção ajuda à leveza, a sua sola e entressola proporcionam um eficaz aproveitamento da energia gerada em cada passada.

 

A sola do Kinvara 8

 

Por outro lado, fiquei com a sensação que a sola sofre de um desgaste rápido, influenciando a durabilidade destes ténis. Talvez dê para uns 500/600 km, mas, claro, tudo depende das vezes que são utilizados. Na verdade, eu apenas corri com eles cerca de 50 km, muito pouco para perceber claramente o limite dos Kinvara 8, tanto na sola como no amortecimento.

Para uma marca que já tinha ouvido falar e que tinha uma certa curiosidade, foi sem dúvida uma agradável surpresa e, a partir de agora, vou estar mais atento a Sauconya este modelo em particular. 

 

Indicado para:
Corredores até 80kg
Passada neutra
Treinos diários e provas até Maratonas
Estrada/Pista

 

Pontos Positivos:
Flexibilidade
Leveza
Amortecimento/Impulsão
Acolchoamento
Malha têxtil bastante respirável

 

Pontos Negativos
Atacadores de fraca qualidade
Pouco apropriado para piso misto