Tóquio 2020

Como todos aguardavam, os Jogos Olípmicos e Paralímpicos de Tóquio 2020 foram adiados para 2021 devido a pandemia do coronavírus.

Após uma forte pressão mundial, finalmente o Comité Olímpico Internacional (COI) adiou os Jogos Olímpicos de Tóquio para 2021, embora o evento mantenha, no próximo ano, a nomenclatura oficial. Tóquio 2020.

A decisão foi tomada após uma vídeoconferência entre o presidente do COI, Thomas Bach, e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe. O objetivo é resguardar a segurança dos atletas, técnicos, voluntários e adeptos, entre outros.

«Nas atuais circunstâncias, e com base nas informações fornecidas esta terça-feira pela Organização Mundial de Saúde, o presidente do COI e o primeiro-ministro do Japão concluíram que os Jogos devem ser remarcados para uma data posterior a 2020, o mais tardar no verão de 2021», podemos ler no comunicado do COI.

Evidentemente que o adiamento provoca uma enorme dor-de-cabeça para o COI e os organizadores do evento, principalmente devido aos contratos assinados com os parceiros do evento, mas também para os próprios adeptos que já tinham comprado os bilhetes. O custo financeiro será enorme, nos jogos que, até hoje, eram considerados como os mais lucrativos da história (há estudos que, devido ao adiamento, o Japão terá um impacto negativo no Produto Interno Bruto em 1,4%).

LEIA TAMBÉM
Como viver com o mínimo de tranquilidade com o coronavírus

No entanto, devido a pandemia do coronavírus, que já matou mais de 17 mil pessoas (mais de 5000 só em Itália), não havia outra decisão a tomar, ainda mais quando os próprios atletas demonstravam o seu desagrado com a manutenção da data (Cerimónia de Abertura agendada para 24 de julho).

Recorde-se que os Jogos Olímpicos de Tóquio teriam 11 mil atletas oriundos de mais de 204, distribuídos em 33 desportos. As previsões dos organizadores de Tóquio2020 apontavam para a chegada de cinco milhões de pessoas para verem as diversas provas do calendário olímpico.

De referir ainda que o COI decidiu manter a chama olímpica no Japão, onde chegou esta semana.

Presidente da Federação Portuguesa de Atletismo considera uma decisão acertada adiamento dos Jogos Olímpicos para 2021

Entretanto, o presidente da Federação Portuguesa de Atletismo, Jorge Vieira, já comentou a decisão do adiamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio para 2021.

Segundo o dirigente, «é uma boa decisão, embora atrasada», uma decisão que «já deveria ter sido tomada há uns dias, (…) a medida mais justa para toda a comunidade desportiva. Entendo como deve ter sido difícil tomar esta decisão, mas devemos elogiá-la, até porque a esmagadora maioria do mundo do desporto já clamava por este desfecho».

Jorge Vieira destacou ainda que o adiamento «permite uma visão internacional diferente do futuro, enquadrando a atividade numa perspetiva mais abrangente (…) Foi a decisão que repõe toda a justiça nesta questão».