Ginásio Hong-Kong

Embora com a pandemia de coronavírus ainda por controlar em algumas regiões da China, o território autónomo de Hong-Kong acaba de anunciar a reabertura dos ginásios, embora num formato, chamemos-lhe assim, invulgar…

Numa altura em que a pandemia ainda mantém grande parte da Humanidade limitada na sua ação, com a certeza de que dificilmente a vida poderá voltar, pelo menos nos tempos mais próximos, àquilo que era antes, existem regiões no globo que, ainda assim, procuram recuperar alguma da normalidade.

É o caso, por exemplo, de  Hong-Kong, território autónomo da China e uma das capitais financeiras do mundo moderno, onde, mesmo com os focos da pandemia que ainda proliferam no resto do território do Império do Meio, a população procura retomar hábitos não tão antigos quanto isso, como é o caso da frequência dos ginásios.

LEIA TAMBÉM
Paulo Paula: «Não é nada do outro mundo correr com máscara»

Num território que contabiliza pouco mais de mil infetados por coronavírus e apenas quatro mortos, as autoridades políticas de Hong-Kong, mas também de saúde, decidiram obrigar a algumas alterações nos ginásios tendo como objetivo garantir o necessário afastamento social que poderão ajudar a conter a disseminação do COVID-19, a par das imperiosas medidas de higiene.

Entre estas medidas, e segundo podemos ver nas imagens abaixo, está a criação de curiosas boxes de treino nos ginásios entre as passadeiras e bicicletas, boxes que procuram evitar qualquer contato entre os utilizadores.

A experiência alemã

De resto, também na Alemanha, os ginásios começam a retomar a sua atividade, ainda que, igualmente, com algumas alterações face àquilo que era o panorama anterior. Mais uma vez, como forma de garantir uma prática física segura.

Ainda assim, e segundo revela o jornal alemão em língua inglesa The Local, as novas regras variam de estado para estado da Alemanha. Por exemplo, na Baviera, é permitido «desportos individuais sem contato e com distância», como o ténis, o atletismo, o golfe, a vela ou a equitação.

Igualmente permitido é que os atletas treinem sozinhos ou até mesmo em pequenos grupos, desde que não ultrapassem as cinco pessoas e que tal aconteça ao ar livre. No entanto, os balneários devem permanecer fechados até ordem em contrário.

LEIA TAMBÉM
Ginásios: Conheça as 18 recomendações para um regresso em segurança (parte 2)

Ainda de acordo com a mesma publicação, a maior preocupação das autoridades reside nos desportos de alta intensidade, que envolvem pessoas a suar, aumentando a facilidade de propagação do vírus. Isto, ao mesmo tempo que a Associação da Indústria Alemã de Fitness e Saúde recomenda uma distância mínima de 1,5 metros entre equipamentos e pessoas, além de proteções na zona da boca e do nariz.

O caso português

Já em Portugal continental, continua por conhecer-se de que forma poderão abrir estes espaços.

Pelo contrário, na Madeira, onde os ginásios começaram a abrir gradualmente portas no passado dia 12, já existem recomendações definidas e que, segundo a RTP Madeira, passam pela limitação da utilização de cada espaço a um terço da sua capacidade, assim como a utilização não poder exceder a 1 hora por parte de cada utente.

ginásio

Já as aulas de grupo ou com mais de duas pessoas, incluindo o instrutor, continuam proibidas no interior dos ginásio, embora possam ser realizadas no exterior. Isto, desde que mantida a regra do distanciamento, traduzida numa pessoa por cada cinco metros quadrados.