Corredores Crosse Escola EUA

Numa altura em que o racismo volta a estar na ordem do dia nos EUA e no mundo, três jovens corredores de uma equipa de Atletismo de Tyler, no Texas, recusam envergar o nome da escola nas camisolas devido à ligação da figura que dá nome à instituição, ligada à escravatura.

A notícia é avançada pela Runner’s World, acrescentando que os três jovens frequentam o Liceu Robert E. Lee, sendo que é esse o nome que pretendem tapar na sua camisola, assim como Tyler Lee, o distrito local.

A decisão das jovens prende-se com o facto de ambos os nomes pertencerem a personalidades não apenas importantes na História dos EUA, mas também conhecidos esclavagistas.

LEIA TAMBÉM
COI proíbe manifestações anti-racismo de apoio a George Floyd nos Jogos Olímpicos de Tóquio

Tudo começou, no entanto, com Trude Lamb, uma outra corredora de crosse, que decidiu escrever uma carta à administração da escola de Tyler pedindo uma mudança. A carta rapidamente se tornou viral, sendo que as jovens esperam agora que o movimento contribua para uma mudança efetiva em Tyler e noutros locais com escolas cujos nomes têm uma ligação à Confederação e ao passado esclavagista dos EUA.

“Sinceramente, não estava à espera que isto ganhasse uma dimensão como veio a ganhar”, afirmou Lambo, de 16 anos, à Runner’s World. “Eu escrevi a carta na esperança de que a administração ouvisse o pedido e encontrasse um novo nome com que todos concordássemos e em que tivėssemos orgulho”.

View this post on Instagram

Never again on my chest! #wewontwearthename

A post shared by TylerISD WeWontWeartheName (@wewontwearthename) on

Entretanto, tanto Trude Lamb como os seus colegas na equipa de crosse, como Nick Knight, de 17 anos, e Hewan Knight, de 16, têm-se mantido unidos nos seus esforços, tornando alvo da atenção de todo o país.

No entanto, e com o arranque da preparação para a temporada de 2020 de crosse nos EUA, por saber está ainda como irá reagir a administração do distrito escolar à decisão dos corredores de cobrirem tanto o nome da escola, como do distrito de Tyler, enquanto manifestação contra a ligação destes nomes à escravatura. Sendo que os jovens já não treinam sequer sozinhos, com receio de ataques como o sucedido com Ahmaud Arbery, um jovem corredor que foi “caçado” e morto enquanto treinava.

Os próximos tempos trarão respostas…