Eliud Kipchoge

Ainda à espera do que irá acontecer com a Maratona de Londres, devido à pandemia de coronavírus, o recordista mundial Eliud Kipchoge revelou, numa extensa entrevista ao jornal espanhol Marca, que, no caso da prova britânica não se realizar, «gostaria de correr em Valência».

«Não sabemos o que vai acontecer amanhã», começou por desabafar o fundista queniano, recordando que, «nas minhas mãos está apenas a minha saúde e o bem-estar dos meus. É essa a minha prioridade. Assim, a partir do momento em que abram as fronteiras, se puder correr, fá-lo-ei».

LEIA TAMBÉM
O que teria de correr e em quanto tempo para alcançar o Sub-2h00 de Kipchoge nos 100, 200,400m…

Assim, correr em Valência é algo que não está totalmente colocado de parte para Kipchoge, tal como não está a possibilidade do queniano atacar o seu próprio recorde do mundo.

«Além de Viena, também Paris, Londres e até mesmo Valência, que tem um circuito muito rápido, tanto nos 10 km como na Meia-maratona […], seria um bom sítio para tentar bater o recorde», assumiu o queniano, que, sobre provas, não deixa de apontar o cancelamento dos Jogos Olímpicos de Tóquio como uma das piores notícias da sua vida. Recordando que, neste momento, os próximos passos na sua carreira estão dependentes daquilo que vier a acontecer relativamente à Maratona de Londres, agora agendada para 4 de outubro.

Kipchoge lebres

De resto, e depois do próprio director dos 42,195 km londrinos, Hugh Brasher, ter referido há algumas semanas que «ainda não existe a certeza de que a Maratona de Londres se realizará ou até mesmo em que moldes», as últimas informações apontam para que, dentro de sete dias, mais precisamente no dia 21 de junho, surja uma decisão final sobre o tema. Sendo que, neste momento, as hipóteses passam por uma prova aberta a todos os participantes, uma corrida apenas para os profissionais ou até mesmo pelo cancelamento puro e simples.

Quanto às alternativas, Valência também se encontra numa fase de decisões, embora as últimas indicações sejam no sentido de que venha mesmo a realizar-se. Resta saber em que formato: se com populares ou apenas com a participação dos profissionais.