Ao que tudo indica, a World Athletics pretende resgatar o Corta-mato nos Jogos Olímpicos, concretamente em Paris 2024. E mistos…

Em 1924, a lenda Paavo Nurmi foi o grande vencedor da última prova de Cross nos Jogos Olímpicos. Na altura, e devido ao calor extremo, apenas 15 dos 38 atletas terminaram a prova.

Agora, 100 anos depois, e no mesmo local, Paris, a World Athletics pretende colocar novamente o Corta-mato no calendário olímpico. Mas com algumas variações, que seguem, aliás, as provas do Mundial da modalidade, concretamente em Kampala 2017 e Aarhus 2019.

Ou seja, disputar uma estafeta mista por equipa, com cada atleta a correr 2,5 quilómetros.

LEIA TAMBÉM
Maratona olímpica de Paris2024 será aberta a todos

A decisão ainda não é definitiva e, em breve, a World Athletics vai conversar com o Comité Organizador dos Jogos Olímpicos de Paris, que, dificilmente, acreditamos, não aceitará a sugestão de incluir o Corta-mato nos Jogos de Paris 2024.

Recorde-se que, numa altura em que o mundo procura evitar eventos com grandes concentrações de pessoas como forma de combate à pandemia de coronavírus, o Comité Olímpico Internacional anunciou recentemente uma redução no número de atletas que poderão participar numa edição dos Jogos Olímpicos, precisamente a partir de Paris 2024. O anúncio foi feito pelo presidente do Comité Olímpico Internacional, Thomas Bach, após mais uma reunião da Comissão Executiva do organismo.

De acordo com as decisões divulgadas pelo COI, os Jogos Olímpicos de Paris, em 2024, não poderão ter mais de 10.5000 atletas, número que é não apenas uma redução, mas também o mais baixo desde Atlanta 1996.

Refira-se que, a partir desses Jogos, todas as edições seguintes dos Jogos Olímpicos de Verão tiveram sempre mais de 10 mil atletas.

«Foi decidido que haverá menos atletas em Paris que no Rio ou em Tóquio», anunciou, na conferência de imprensa realizada após a reunião da Comissão Executiva, Thomas Bach.