Maratona de Barcelona 2020

Com corredores em todo o mundo já a desesperar por uma corrida, a empresa espanhola RPM-MKTG prepara-se para dar o primeiro passo, realizando um total de 13 corridas durante o presente ano de 2021 com uma particularidade: apenas vacinados contra a COVID-19 poderão participar na provas.

O anúncio foi feito pelo próprio presidente da RPM-MKTG, Juan Porcar, cuja empresa é responsável pela organização, entre outras, da Maratona de Barcelona. «Assim que todos tivermos acesso à vacina, mesmo que seja de forma privada, como acontece agora com os PCRs, passaremos a pedir esse requisito a quem pretender participar no evento de teste que pretendemos realizar», afirmou.

Desta forma, a prova poderá tornar-se num evento massivo (…) Devemos progredir em direção ao novo normal ao mesmo tempo que a pandemia vai sendo superada. Não podemos continuar parados, devemos colaborar para que o mundo recomece e crie um ambiente positivo.»

LEIA TAMBÉM
Kengo Suzuki é o primeiro atleta não-africano a correr a Maratona em menos de 2h05

Ainda assim, e analisando aquele que é o calendário elaborado pela empresa, sobressai o facto da temporada iniciar-se ainda antes de existir a garantia de que a maioria da população estaria vacinada.

De acordo com o programado, o primeiro teste será a Titan Desert, prova agendada para o período entre 23 e 28 de maio, e que, depois de em 2020 ter sido realizada na região de Almeria, Espanha, voltará este ano a ter lugar no seu habitat, ou seja, o deserto de Marrocos.

«Conseguimos garantir a segurança da Titan, embora tenha sido um pouco difícil para a organização», revela Porcar, acrescentando que «fizemos uma verificação pessoa a pessoa com os testes de antígeno e, evidentemente, apenas aqueles com resultado negativo podiam aceder à bolha».

O regresso da Titan Desert a Marrocos, em 2021, deverá acontecer apenas com corredores vacinados, tal como outras corridas da RPM-KTMG

Diferentes serão no entanto os eventos em cidade, em que facilmente se inscrevem cerca de 1.000 corredores, tornando-se assim mais massificados. É o caso, por exemplo, da Meia-maratona de Barcelona, agendada para 17 de outubro, ou a Maratona de Barcelona, programada para 7 de novembro.

«Naturalmente, é mais fácil manter a segurança através de uma bolha num evento como a Titan, o qual tem lugar no deserto e com uma participação bem inferior de corredores», reconhece o presidente da RPM-MKTG, cuja empresa teve, em 2020, um total de 23 mil inscrições na Maratona de Barcelona, 50% das quais estrangeiras.

No entanto, e com a pandemia, números desta magnitude tornam-se quase utópicos, ainda que Juan Porcar se mostre otimista quanto à realização da edição deste ano dos 42,195 km da Cidade Condal: «Acreditamos que, no outono, grande parte da população já estará vacinada, sendo que, muito provavelmente, também já existirá acesso às vacinas de forma privada», revelou Porcar à agência de notícia EFE.

Aliás, é esta esperança que acabou a levar a RPM-MKTG a agendar a maior parte das 13 provas para depois da primavera. Ou seja, e depois da Titan, no dia 6 de junho terá lugar a L’Étape em Villanueva del Pardillo, a que se seguirá, em data ainda a definir, a Garmin Team Trail. A Non-Stop Madrid-Lisboa terá lugar entre 2 e 4 de julho.

Finalmente, e a seguir à Meia de Barcelona, em outubro, terá então lugar o grosso das corridas organizadas pela empresa liderada por Juan Porcar, abertas apenas a atletas vacinados: em novembro, duas etapas das Titan Series, em Almeria e no México, além da Maratona de Barcelona e do Trial Indoor. Ao que se seguirá, em dezembro, as Titan Series, na Arábia Saudita.