Corredor de ultradistâncias, Corey Cappelloni correu recentemente cerca de 350 km para ver a sua avó, ao mesmo tempo que pretendeu alertar para a solidão dos mais velhos devido a Covid-19.

Com presença na Marathon des Sables, Corey Cappelloni correu entre Washington, capital dos Estados Unidos, e Scranton, na Pensilvânia, sua terra natal e onde está a sua avó, Ruth, de 98 anos, vítima de coronavírus.

Run for Ruth (“Correr por Ruth”) foi o lema escolhido por Cappelloni para este desafio, com o norte-americano a fazer questão de levantar um dos problemas causados pela Covid-19: o isolamento da população mais velha. Ao longo dos 351 km, Cappelloni fez questão de salientar em todas as entrevistas que realizou este que é um dos principais celeumas da pandemia.

LEIA TAMBÉM
João Paulo Félix: «No pico dos treinos corro cerca de 150km por semana»

O momento mais gratificante foi, obviamente, quando Cappelloni terminou o seu desafio no Centro de Enfermagem e Reabilitação Especializada de Allied Services, de Scranton.

No total, o norte-americano demorou 7 dias para rever a sua avó, numa iniciativa que também teve como intuito arrecadar fundos monetários para a compra de smartphones e tablets para minimizar a distância entre os anciãos e os seus familiares.

De referir que tanto o neto como a avó não se tocaram fisicamente, já que Ruth ainda está em observação. Recebido como um herói pelos locais e profissionais, Cappelloni foi saudado pela sua avó com um cartaz: «Te amo, Corey

Os dois falaram por telemóvel, com Cappelloni a falar que a sua avó, infetada com a Covid-19, era uma «pessoa forte» e que estava próxima dos 99 anos. «Ainda tens muitas milhas pela frente.»

No total, a iniciativa Run for Ruth arrecadou cerca de 23 mil euros. De referir ainda que Cappelloni perdeu, devido a Covid-19, o seu tio-avô, Charles Gloman, no passado dia 11 de maio.

«A minha avó passou alguns dias muito duros devido a pandemia. A razão pelo qual decidi fazer este desafio foi mostrar a minha avó que estou aqui por ela e que me preocupo com ela, principalmente por a minha avó ter estado sempre aqui para mim desde que nasci