Kipchoge 1h59

Com o Ano Velho já em período de despedidas e o Ano Novo a poucos dias de distância, é chegado o momento de recordar aquilo que 2019 de melhor nos trouxe na corrida. Pelo que, mesmo sem querer esgotar aqui o balanço do ano que está perto de findar, recordamos 10 momentos de 2019 que, definitivamente, nos ficaram na memória…

Tal como acontece na nossa vida pessoal, também em muitos outros domínios da nossa vida, a chegada do final do ano é sempre motivo para balanços – do que de melhor e pior aconteceu, daquilo que foram os maiores feitos, mas também as piores desilusões.

O mesmo decidiu voltar a fazer os Corredores Anónimos, ainda que centrando os holofotes não propriamente nas vidas de quem vos escreve – brincadeira!… -, mas naqueles que terão sido alguns dos principais momentos que a Corrida teve em 2019.

Confira-os, mais uma vez, connosco… e desfrute do momento!

Brigid Kosgei Quenia
Brigid Kosgei, a corredora que conseguiu destronar Paula Radcliffe
  • Brigid Kosgei derruba recorde de Paula Radcliffe com 16 anos
    Decorria o ano de 2003 quando a britânica Paula Radcliffe fixou aquele que seria o recorde feminino do mundo na Maratona, durante 16 anos: 2h15m25, marca alcançada na Maratona de Londres. Nos anos seguintes, apenas a queniana Mary Keytany conseguiria aproximar-se – ligeiramente – de tal marca, ao fazer 2h17m01, também na Maratona londrina…
    Até que chegou Bridgid Jepscheschir Kosgei: a 13 de outubro de 2019, a fundista queniana fez história ao vencer a Maratona de Chicago em 2h14m04! Isto, depois de ter cumprido a primeira metade da prova em apenas 1h06m59, seis segundos menos que os 1h07m05s realizados na segunda metade…
 Eliud Kipchoge, a lenda
Eliud Kipchoge, a lenda
  • Eliud Kipchoge torna-se o primeiro homem a fazer a Maratona em menos de duas horas
    Só não é o feito mais importante de 2019 porque foi alcançado num evento não-oficial e sob condições especiais. Ainda assim, merece, em nossa opinião e por total direito, figurar neste segundo lugar: Eliud Kipchoge, fundista queniano campeão do mundo e olímpico da Maratona, é o primeiro homem a conseguir fazer os 42,195 km em menos de duas horas!
    Depois de uma primeira tentativa em Monza 2017, aquele que é já considerado o maior maratonista de todos os tempos voltou, este ano, a tentar baixar das duas horas, correndo agora em Viena, Áustria. Feito que alcançou com 1h59m40. Tempo que, como referido, acabou não sendo reconhecido oficialmente devido às condições especiais: várias lebres, abastecimentos fornecidos com recurso a bicicleta, etc.
 Sifan Hassan teve um ano para recordar para sempre
Sifan Hassan teve um ano para recordar para sempre
  • Sifan Hassan torna-se a primeira atleta de sempre a vencer duas distâncias nunca juntas
    Holandesa de ascendência etíope, Sifan Hassan conseguiu, nos Campeonatos do Mundo de Atletismo que tiveram lugar em Doha, no Qatar, um feito que nenhum atleta, homem ou mulher, alguma vez havia conseguido: conquistar, numa grande competição como os Mundiais ou os Jogos Olímpicos, as medalhas de ouro nos 1.500 e 10.000 metros.
    Com apenas 26 anos de idade, Sifa Hassan começou por vencer a final dos 10.000 metros dos Mundiais da World Athletics com o tempo de 30m17s33, para, apenas uma semana depois, disputar a final dos 1.500 metros, vencendo com a marca de 3m51s95. E isto, saliente-se, depois de já ter vencido todas as três eliminatórias em que teve de participar para chegar à final…
 Dalilah Muhammad, considerada a Atleta do Ano para a World Athletics
Dalilah Muhammad, considerada a Atleta do Ano para a World Athletics
  • Dalilah Muhammad fixa recorde mundial dos 400 m barreiras… por duas vezes
    Campeã olímpica em título nos 400 metros barreiras, a norte-americana Dalilah Muhammad fez história em 2019… e por duas vezes: primeiro, ao vencer a distância nos últimos Campeonatos Norte-americanos de Atletismo, fixando como novo recorde mundial 52s20; em seguida, quando, apenas dois meses após a obtenção da primeira marca, acabou melhorando o seu próprio recorde na especialidade, ao conseguir o tempo de 52s16 nos Mundiais de Atletismo, em Doha. E, tudo isto, com os Jogos Olímpicos de Tóquio já no horizonte…
Em Valência, Geoffrey Kamworor cumpriu o que prometeu
Em Valência, Geoffrey Kamworor cumpriu o que prometeu
  • Geoffrey Kamworor estilhaça recorde mundial da Meia-maratona
    Especialista em provas de Cross, Maratona e Meia-maratona, o queniano Geoffrey Kipsang Kamworor inscreveu o seu nome na História, em 2019, ao simplesmente estilhaçar o recorde mundial da Meia-maratona. Cumprindo um ritmo de 4m25, o já então tricampeão mundial da Meia-maratona correu a edição de 2019 de Copenhaga em apenas 58m01. Ou seja, menos 17 segundos do que o anterior recorde do mundo, isto na mesma cidade onde Kamworor havia obtido o seu primeiro ceptro mundial na Meia, em 2014.
 Joshua Cheptegei escreveu de vez o seu nome na História do Mundo da Corrida
Joshua Cheptegei escreveu de vez o seu nome na História do Mundo da Corrida
  • Joshua Cheptegei estabelece novo recorde mundial dos 10 km após vencer dois títulos mundiais
    Recordista mundial dos 15 km em 2018, o ugandês Joshua Cheptegei foi mais um daqueles casos que surpreenderam o Atletismo, no ano que agora termina, ao fixar um novo recorde mundial nos 10 km na Valência Trinidad Alfonso, realizados no dia 1 de dezembro, na cidade espanhola de Valência, ao fazer o tempo de 26m38s. Marca que, no entanto, se torna ainda mais surpreendente depois de, no início do ano, o mesmo atleta ter vencido não só a prova principal dos Campeonatos do Mundo de Cross, como os 10.000 metros nos Mundiais de Atletismo, em Doha, no Qatar.
Donovan Brazier surpreendeu os Estados Unidos
Donovan Brazier surpreendeu os Estados Unidos
  • Donovan Brazier derruba recorde americano com 34 anos
    Presente nos 800 metros dos Campeonatos Mundiais de Atletismo de Doha, o norte-americano Donavan Brazier conseguiu fazer a corrida de uma vida ao conquistar a medalha de ouro na distância com o “tempo-canhão de” 1m42s34.
    Marca que, embora não sendo suficiente para derrubar o recorde mundial da especialidade – 1m40s91, propriedade do ainda campeão olímpico David Rudisha -, bastou para colocar um ponto final naquele que era a melhor marca de um atleta dos EUA na distância, da autoria de Johnny Graym e que já se mantinha há 34 anos!
 Maggie Guterl  provou que as mulheres conseguem grandes feitos, como os homens
Maggie Guterl provou que as mulheres conseguem grandes feitos, como os homens
  • Maggie Guterl torna-se a primeira mulher a vencer a Backyard Ultra
    O conceito é simples: trata-se de um percurso com 6.706 metros que os atletas têm de cumprir em menos de uma hora. O que, reconheça-se, até seria fácil, não fosse o caso de terem de o fazer, em cada uma das horas seguintes, até não puderem mais!…
    No caso de Maggie Guterl, o desafio prolongou-se por 60 horas, com a norte-americana a correr um total de 402,336 km, tornando-se assim na primeira mulher a conseguir vencer esta Ultra-maratona.
Como Fénix, Kenenisa Bekele ressurgiu das cinzas
Como Fénix, Kenenisa Bekele ressurgiu das cinzas
  • Kenenisa Bekele vence Maratona de Berlim com tempo dois segundos acima do recorde mundia
    Não venceu, mas ainda assim não deixa de merecer a presença nesta lista de personalidades em destaque no ano que agora termina. Apenas um ano após Eliud Kipchoge ter estabelecido um novo recorde mundial que todos acreditavam que se iria manter por vários anos, eis que Kenenisa Bekele ficou perto de derrubar o recorde da Maratona fixado pelo fundista queniano, ao vencer em Berlim com o tempo de 2h01m41. Resumindo: apenas mais dois segundos que o recorde de Kipchoge.
    Ainda assim, a marca passa a ser também, ainda que por apenas 80 segundos, recorde pessoal na distância para o atleta etíope de 37 anos, que assim regressou aos grandes momentos depois de um calvário de lesões nos últimos anos.
Camille Herron somou mais um grande resultado na sua carreira
Camille Herron somou mais um grande resultado na sua carreira
  • Camille Herron torna-se a primeira atleta a conquistar os três títulos da IAU, e com recorde do mundo
    No mesmo ano em que esteve perto de perder a vida, na sequência de um grave e aparatoso acidente de viação, a norte-americana Camille Herron concretizou um feito nunca antes alcançado por outro ultra-maratonista ao juntar este ano o triunfo na corrida de 24 Horas às vitórias alcançadas em 2015 nas provas de 50 km e 100 km dos Campeonatos do Mundo de Ultra-maratona da Associação Internacional de Ultra-Maratonistas.
    Triunfo a que acrescentou, aliás, um novo recorde do mundo, ao percorrer 270,116 quilómetros no tempo pré-estabelecido. Qualquer coisa como 5m20 por quilómetro…