Sports Mental Coach da Hypno Coaching, Jorge Boim disponibiliza sessões de Coaching Online totalmente gratuitas onde procura passar técnicas com o objetivo de ajudar a lidar com o momento crítico no qual todos estamos a viver devido ao coronavírus. O especialista procura dar assim uma perspetiva diferente da vida, com o intuito de ajudar a compreender melhor o que estamos a sentir. Jorge Boim escreve um texto de como podemos abordar o “monstro” que atormenta tudo e todos…

O Covid-19 entrou-nos pela vida dentro quase sem darmos por isso. De repente, praticamente tudo o que considerávamos como garantido foi abalado. Por exemplo, deixou de ser uma certeza ir treinar ao fim da tarde, fazer aquela Maratona daqui a um mês… Assim, do nada, fomos obrigados a virar para dentro, a ficarmos confinados em casa, com a família.

Mas há mais. Vamos ao supermercado e damos 1, 2 metros de distância da pessoa que está à frente ou atrás; andamos com a cabeça mais baixa, com o olhar mais atento do que nunca, sempre e em qualquer momento a ver se alguém mantém a distância de segurança…

Mas também nota-se a ansiedade no ar, o respeito pelo desconhecido que se sabe forte e, muitas vezes, mortal.

Todos os dias, nos telejornais, nas redes sociais ou nas rádios, ouvimos falar de taxas de mortalidade, de contágio, de infetados… Quase nada de positivo passa pelas notícias. Infelizmente, o número de recuperados não é notícia, não dá manchete. Sim, é verdade, há pessoas recuperadas e isso dá-nos uma pequena noção de esperança de que vamos superar isto e de que tudo vai ficar bem.

LEIA TAMBÉM
Coronavírus: devo ou não correr no exterior? (Parte 2)

Mas… e até lá?

Até lá, a luta será longa. Como dizia o Presidente Marcelo Rebelo de Sousa, vamos sentir cansaço e fadiga. O stress vai estar mais presente e vai fazer-se sentir em força. A paciência irá, muitas vezes, esgotar-se e iremos explodir com quem está mais próximo: a família, os que estão ali, bem perto de nós, a lutar a mesma luta, a sentir o mesmo que nós.

Então, como podemos minimizar o impacto que vamos sentir neste período? Aqui vos deixo algumas dicas:

  • APANHAR AR
    É possível que, em dado momento, deixe de ser possível sair de casa com a mesma facilidade mas, até lá, procure sair de casa entre 20 e 30 minutos, de manhã e à tarde. Nem que seja só para dar uma volta ao quarteirão ou ir ao jardim ao lado de casa. Se algum dia não puder sair de casa e passear, vá só até à porta do prédio ou à varanda ou ao jardim
  • FAÇA EXERCÍCIO EM CASA
    Se não pode correr ou ir ao ginásio ou andar de bicicleta em casa, adapte a rotina. Se pesquisar na internet, facilmente irá encontrar muitos exercícios para fazer sem recurso a alteres ou outras ferramentas. Faça, 15, 30, 60 minutos. O que for do seu agrado, disponibilidade e nível. Mas faça!
  • COMUNIQUE
    A família precisa saber o que sente e necessita e, se não o disser, eles não adivinham. Diga o que precisa, honesta e abertamente, dando espaço para que as outras pessoas façam o mesmo. É comum, em alturas de stress, haver um período do dia de maior quebra física. Para umas pessoas é de manhã, outras a seguir ao almoço e outras ao final da tarde. Se precisa desse tempo para si, para descansar, diga-o abertamente
  • FAÇA UMA LISTA DO QUE QUER FAZER
    Aproveite os dias para fazer coisas que, habitualmente, não tem tempo para fazer. Desde ler um livro, ver um filme ou série, o que for. Faça uma lista do que quer e vá fazendo coisas que lhe dão prazer
  • PREPARE-SE PARA O DEPOIS
    Pense em coisas que quer fazer quando esta crise passar.
  • DESCANSE
    O stress, a ansiedade e a angústia cansam-nos, retira-nos energia. Aproveite e descanse, recupere energias.

Dificilmente, como acontece quase sempre com experiências deste tipo, a vida será como antes. A partir daqui tudo será diferente. Podemos aproveitar esta fase para uma análise interior e ver se queremos mudar e o que queremos mudar.

Para marcar uma consulta gratuita com Jorge Boim, aqui ficam os seus contatos: